Política

Conselho abre processo, Bolsonaro diz que Congresso não é convento

Da Redação ·
Bolsonaro parece que não tem sossego, nem com seus filhos. (Foto: Reprodução)
Bolsonaro parece que não tem sossego, nem com seus filhos. (Foto: Reprodução)

BRASÍLIA, DF - O Conselho de Ética da Câmara abriu nesta terça-feira (16) processo de quebra de decoro parlamentar contra o deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) por sua declaração, no plenário da Câmara, de que não estupraria a colega Maria do Rosário (PT-RS) porque ela não merecia. 

continua após publicidade

Como o Congresso entra em recesso na próxima semana, a continuidade do pedido de cassação será definida pelo comando da Câmara. 

O presidente do conselho, Ricardo Izar (PSD-SP), encaminhou um questionamento ao presidente da Casa, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), solicitando uma definição sobre o andamento da representação. 

continua após publicidade

A dúvida é se o processo será arquivado com o fim deste mandato ou se ele será retomado volta dos trabalhos do Congresso, a partir de fevereiro. Não houve uma posição da cúpula da Câmara. 

Na sessão, o órgão disciplinar sorteou os deputados Marcos Rogério (PDT-RO), Ronaldo Benedet (PMDB-SC) e Rosane Ferreira (PV-PR) como possíveis relatores. O conselho definirá nos próximos dias quem ficará com o processo. 

O pedido de cassação de Bolsonaro foi protocolado por PT, PC do B, PSB e PSOL. Os partidos alegam que ele deve perder o mandato por ter quebrado o decoro ao agredir a colega incentivando o estupro. 

continua após publicidade

Bolsonaro atacou a petista ao rebater discurso feito por Rosário na semana passada, no qual defendeu a Comissão da Verdade e as investigações de crimes da ditadura militar. Ele reeditou uma fala que disparou em 2003 contra Maria do Rosário, durante uma entrevista no Salão Verde, quando discutia a redução da maioridade penal. 

Ele reagiu dizendo que não a estupraria porque ela não merecia. Irritado, o deputado chamou a colega de "mentirosa, deslavada e covarde". A declaração de Bolsonaro provocou fortes reações na Casa, sobretudo na bancada feminina. 

Para os partidos que assinam a representação, Bolsonaro tem sido "extremamente misógino, preconceituoso, sexista e homofóbico, no exercício do seu mandato parlamentar" e, com isso, "desrespeita a Constituição, o Código de Ética e Decoro Parlamentar e o regimento interno da Câmara", quebrando o decoro parlamentar. 

continua após publicidade


DEFESA 

Bolsonaro apresentou nesta terça sua defesa preliminar ao conselho. No texto de sete páginas, o deputado defende o arquivamento da representação. Ele alega que não cometeu irregularidades, que tem a imunidade parlamentar garantida aos congressistas em plenário e que virou alvo de partidos aliados da presidente Dilma Rousseff que querem utilizar o caso para desviar o foco das denúncias de irregularidades contra a Petrobras. 

continua após publicidade

Durante sua participação na sessão, ele destacou que o "Congresso não é um convento". Ele argumenta que não poderia ser julgado duas vezes pelo mesmo episódio, sendo que em 2003 a Mesa Diretora da Câmara arquivou representação pela discussão com a deputada. 

"Ela interferiu numa entrevista e acabou se vitimizando",disse. 

O deputado minimizou o fato de o Ministério Público Federal o ter denunciado ao STF (Supremo Tribunal Federal) pelo caso ao incitar estupro. "A procuradoria não julga, ela denuncia", disse. 

continua após publicidade

"Eu falei que não merece [ser estuprada] e vocês estão me crucificando. Se eu falasse que ela merece eu seria linchado. A campanha dela [Maria do Rosário] há poucos meses era "Eu não mereço ser estuprada". Ela usou a frase que usei", disse. 


CONFUSÃO 

Em 11 de novembro de 2003, Bolsonaro e Maria do Rosário tiveram um bate-boca semelhante no Salão Verde da Câmara. Após o deputado conceder entrevista defendendo a redução da maioridade penal, a petista, contrária à proposta, o interpelou. "Se a senhora é contra a redução da maioridade, pega aquele estuprador de São Paulo [que matou um casal de estudantes] e leva para a sua casa", disse Bolsonaro. 

Nisso, Maria do Rosário disse que "O senhor é que promove o estupro". O deputado rebateu, dizendo que ela o acusou de ser estuprador e disse a frase repetida 11 anos depois: "Jamais iria estuprar você porque você não merece". Depois, ele a empurrou e chamou de "vagabunda". A discussão terminou com Maria do Rosário em lágrimas. 

Houve representação contra Bolsonaro, arquivada pela Mesa. O deputado teve inúmeras representações semelhantes arquivadas por suas declarações polêmicas --ele é abertamente homofóbico, já chamou a mesma Maria do Rosário de "vagabunda" quando ela era ministra dos Direitos Humanos em 2008, insinuou que a presidente Dilma Rousseff é homossexual e fez ataques diversos a integrantes dos governos petistas. 

Dois casos chegaram ao Conselho de Ética, mas foram arquivados. 

Bolsonaro segue com suas polêmicas porque o artigo 53 da Constituição define parlamentares em exercício do mandato "invioláveis, civil e penalmente, por quaisquer de suas opiniões, palavras e votos". Assim, é praticamente impossível cassá-lo.