Política

Para rebater deputada, Bolsonaro diz que não a 'estupraria'

Da Redação ·
Foto: Gustavo Lima/ Câmara dos Deputados
Foto: Gustavo Lima/ Câmara dos Deputados

BRASÍLIA, DF - Em discurso no plenário da Câmara, o deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) disse nesta terça (9) que só não "estupraria" a colega Maria do Rosário (PT-RS), ex-ministra de Direitos Humanos, porque ela "não merecia". 

continua após publicidade

Conhecido por suas posições polêmicas, contrárias aos direitos humanos, Bolsonaro atacou a ministra ao rebater um discurso feito por Maria do Rosário minutos antes no plenário da Câmara, no qual a ex-ministra defendeu a Comissão da Verdade e as investigações dos crimes da ditadura militar. 

O PT discute apresentar uma representação contra o parlamentar por quebra de decoro parlamentar. 

continua após publicidade

"Não saia, não, Maria do Rosário, fique aí. Fique aí, Maria do Rosário. Há poucos dias você me chamou de estuprador no Salão Verde e eu falei que eu não estuprava você porque você não merece. Fique aqui para ouvir", afirmou Bolsonaro. 

Irritado, o deputado também mandou a deputada "catar coquinho" e fez sucessivos ataques ao governo Dilma Rousseff. 

"Maria do Rosário, por que não falou sobre sequestro, tortura, execução do Prefeito Celso Daniel, do PT? Nunca ninguém falou nada sobre isso aqui, e estão tão preocupados com os direitos humanos. Vá catar coquinho", disse o deputado. "Mentirosa, deslavada e covarde", completou. 

continua após publicidade

Em seu discurso, Maria do Rosário criticou as manifestações pelo país que defendem o retorno da ditadura militar, o que irritou Bolsonaro. 

A petista também fez uma defesa da democracia e das Forças Armadas que não são "avessas ao Estado democrático de direito". 

"São poucos na verdade, mas deveriam ter consciência do escárnio que promovem indo às ruas pedir a ditadura, pedir o autoritarismo e o impeachment. Ora, figuras de linguagem desvalidas porque colocadas no pior lixo da história", disse a deputada. 

continua após publicidade

Em resposta, Bolsonaro afirmou que o Dia Internacional dos Direitos Humanos é o "dia internacional da vagabundagem", uma vez que se aplica apenas a "bandidos, estupradores, marginais, sequestradores e corruptos". 

Bolsonaro também fez ataques à presidente Dilma, ao afirmar que o ex-marido da petista participou de uma "execução" durante a luta armada na ditadura. Bolsonaro disse que o governo Dilma é o "mais corrupto da história do Brasil" com as denúncias envolvendo a Petrobras. 

"Vamos partir para onde? Para a cubanização como uma forma de salvar o País? Volta à CPMF, a nova alíquota do imposto de renda, a taxação de grandes fortunas. Governo canalha, corrupto, imoral, ditatorial", atacou. 

A deputada Manuela D´Ávila (PCdoB-RS) reagiu aos ataques de Bolsonaro contra Maria do Rosário em sua conta no Twitter. A deputada disse que o PCdoB vai ingressar com representação contra o parlamentar no Conselho de Ética da Câmara. 

"Quando ele diz que ela não merece ser estuprada diz sublinarmenre que algumas mulheres merecem e que ele é potencial estuprador. No Congresso, o barco segue como se nada fosse. Um dia sou eu, noutro @Alice_Portugal, noutro @vanessasenadora, hoje @_mariadorosario", disse em referência a outras parlamentares que já receberam críticas de Bolsonaro.