Política

Não há sinais de que Jango tenha sido envenenado, diz equipe de peritos

Da Redação ·
Ex-presidente João Goulart (Foto: arquivo)
Ex-presidente João Goulart (Foto: arquivo)

BRASÍLIA, DF - Não há sinais de que o ex-presidente João Goulart (1919-76), o Jango, tenha sido envenenado, concluiu de maneira consensual uma equipe de peritos coordenada pela Polícia Federal, que anunciou os resultados nesta segunda-feira (1º), após mais de um ano de trabalho. 

continua após publicidade

Os especialistas analisaram laudos produzidos por laboratórios estrangeiros sobre os restos mortais do presidente, cuja deposição deu início à ditadura militar (1964-85). 

Ainda assim é impossível descartar completamente que um envenenamento tenha ocorrido, visto que a passagem do tempo pode ter apagadovestígios de substâncias tóxicas, afirmou Jeferson Evangelista Corrêa, perito da PF. 

continua após publicidade

É possível, mas não certo, que Jango tenha defato morrido de enfarto, como se supõe. Cardiopata, ele morreu durante o exílio na Argentina, mas seu cadáver nunca passou por uma autópsia. Desde os anos 1980, havia a suspeita de que agentes trabalhando para a Operação Condor, ação conjunta de ditaduras do Cone Sul para assassinar opositores, trocaram medicamentos de Jango por algum tipo de veneno. 

Após determinar que o caixão de Jango não fora violado, e que o DNA dos restos mortais de fato pertenciam a ele, a equipe testou então se havia no esquife resquícios de substâncias suspeitas. Os peritos pesquisaram a presença de cerca de 700 mil substâncias no esquife e nos restos mortais, mas nenhuma foi encontrada. 

O processo foi iniciado pela família de Jango,a qual pode acompanhar todos as etapas do processo com a exumação dos restos mortais. 

continua após publicidade

O Ministério Público Federal ainda tem uma investigação aberta sobre a morte do ex-presidente. 

O ministro Edison Lobão (Minas e Energia), que em 2008 chegou a elogiar a ditadura, surpreendeu ao participar do divulgação dos resultados. Ele contou sobre sua convivência com Jango e saiu logo no final do evento. 

Questionada, a ministra Ideli Salvatti (Direitos Humanos) afirmou que só o próprio Lobão poderia dizer por que aparecera. João Vicente Goulart, filho de Jango, também se disse surpreso com a presença de Lobão. "Mas são coisas da democracia. Melhor ele do que o outro Lobão", brincou ele, sobre o músico Lobão, crítico contumaz do governo de Dilma Rousseff. 

continua após publicidade

HONRARIAS
Os restos mortais do ex-presidente foram exumados em novembro do ano passado, em São Borja (RS), terra natal da família Goulart. Todo o processo foi acompanhado pela então ministra Maria do Rosário, da Secretaria de Direitos Humanos, e recebeu honrarias de chefe de Estado. 

Quando morreu, nos anos 1970 --auge do regime militar--, Jango foi enterrado às pressas. No ano passado, Maria do Rosário disse que o corpo foi recebido na época "pelo povo" nas ruas, mas, por ordens da ditadura, o caixão foi transportado de maneira "desrespeitosa". 

A causa da morte de Jango está sendo investigada, ainda, pela Comissão Nacional da Verdade.