Política

Negromonte diz que levava apenas 'envelopes lacrados' para Youssef

Da Redação ·
O depoimento foi prestado no dia 24 de novembro, na sede da Polícia Federal, em Curitiba, onde ficou preso até esta sexta-feira - Foto: Divulgação
O depoimento foi prestado no dia 24 de novembro, na sede da Polícia Federal, em Curitiba, onde ficou preso até esta sexta-feira - Foto: Divulgação

Adarico Negromonte Filho, irmão do ex-ministro das Cidades, Mário Negromonte, admitiu à Polícia Federal que trabalhou para o doleiro Alberto Youssef. Ele estava preso desde segunda-feira (24), quando se entregou na sede da Polícia Federal, em Curitiba, e foi solto nesta sexta-feira (29), após decisão judicial. Apontado como transportador de dinheiro de Youssef, ele afirmou em depoimento à Polícia Federal que carregava apenas envelopes lacrados, mas nunca soube o que havia dentro. As informações são do G1.

continua após publicidade

Negromonte foi preso na sétima fase da Operação Lava Jato, que investiga, entre outros crimes, desvios de dinheiro da Petrobras e pagamento de propinas a agentes públicos, por parte de empreiteiras que tinham contratos com a estatal. O nome do irmão do ex-ministro surgiu em depoimentos de Alberto Youssef à Justiça Federal.

O depoimento foi prestado no dia 24 de novembro, na sede da Polícia Federal, em Curitiba, onde ficou preso até esta sexta-feira. O Jornal da Globo e o G1 tiveram acesso ao documento.  De acordo com Negromonte, ele recebia de Youssef R$ 1,5 mil por semana, mas nunca teve a carteira de trabalho assinada, nem outro vínculo empregatício. Ele também afirmou que era responsável por lavar os carros do doleiro.

continua após publicidade

Negromonte foi preso na sétima fase da Operação Lava Jato, que investiga, entre outros crimes, desvios de dinheiro da Petrobras e pagamento de propinas a agentes públicos, por parte de empreiteiras que tinham contratos com a estatal. O nome do irmão do ex-ministro surgiu em depoimentos de Alberto Youssef à Justiça Federal.

Ao ser questionado se já havia levado malas ou envelopes a empreiteiras ou a servidores públicos, Negromonte negou e disse que nunca esteve na sede da Petrobras. Quanto a outros endereços, ele também não soube dizer aonde foi para entregar os envelopes a mando de Youssef.

No depoimento, ele ainda admitiu ter contatos com outras pessoas que são citados em processos da Lava Jato, como João Procópio Junqueira, Enivaldo Quadrado, Rafael Angulo e o ex-deputado José Janene, morto em 2010. Negromonte diz que foi apresentado ao doleiro por Janene, que Angulo pagou uma viagem a passeio para ambos no exterior e que era incumbido de levar uma amante do doleiro para passear e ir ao médico.

Confira matéria completa AQUI