Política

Manifestantes em Brasília pedem impeachment de Dilma

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Manifestantes em Brasília pedem impeachment de Dilma
Manifestantes em Brasília pedem impeachment de Dilma

DIMMI AMORA
BRASÍLIA, DF - Um grupo formado nas redes sociais fez hoje à tarde protesto em Brasília pedindo o impeachment da presidente Dilma Rousseff.
Os manifestantes se reuniram em frente ao Congresso Nacional e, de lá, saíram em passeata até a rodoviária da cidade. Ao longo do caminho, os manifestantes ocuparam três faixas de rolamento do Eixo Monumental, principal via da cidade, por cerca de 200 metros. A PM não havia feito estimativa de número de participantes. Um carro de som acompanhava o grupo que recebeu apoios de alguns motoristas que buzinavam ao passarem pela manifestação.
Um outro grupo com menos pessoas, reunindo militantes do PSDB, manteve-se em frente ao Congresso protestando também com um carro de som.
Um dos coordenadores do grupo, o empresário Matheus Sathler, 31 anos, afirmou que o carro de som foi alugado por R$ 2,1 mil com recursos dos próprios apoiadores e que eles não receberam dinheiro de partidos políticos ou entidades. Segundo ele, o grupo pede o impeachment da Presidente e também a recontagem dos votos da eleição de 2014.
A grande maioria das dezenas de cartazes pedia o impeachment da presidente. Houve também manifestações de apoio ao Juiz Sérgio Moro, que comanda a operação Lava Jato, e até mesmo contra a mudança na Lei Orçamentária pedida pelo governo para não cumprir a meta fiscal de 2014.
Havia entre os manifestantes dois cartazes defendendo intervenção militar. Outros manifestantes chegaram a se desentender com os jovens que empunhavam os cartazes em apoio à intervenção. Segundo Sathler, o movimento que organizou o protesto é democrático e não apoia intervenção.
"Não defendemos intervenção militar. Queremos a manutenção da ordem democrática, a não ser que esses acordos do MST com a Venezuela para uma revolução socialista aqui sejam concretizados. Aí defendemos a intervenção prevista na Constituição", afirmou o empresário. 

continua após publicidade