Política

TSE nega pedido do PT de tirar reportagem de ‘Veja’ do Facebook

Da Redação ·
TSE nega pedido do PT de tirar reportagem de ‘Veja’ do Facebook
TSE nega pedido do PT de tirar reportagem de ‘Veja’ do Facebook

O ministro do TSE Admar Gonzaga negou nesta sexta-feira (24) um pedido apresentado por Dilma Rousseff (PT) para que fossem retirados do Facebook links e menções à reportagem da revista “Veja” desta semana. Em sua publicação, a revista diz que o doleiro Alberto Youssef, preso na Operação Lava Jato, num de seus depoimentos de delação premiada, alegou que Dilma e o ex-presidente Lula tinham conhecimento do esquema de corrupção na Petrobras.

Para o ministro, o pedido da coligação de Dilma não é cabível, uma vez que se baseou num dispositivo legal que só valerá para as eleições do ano que vem. Na peça, os advogados do PT dizem que “Veja” antecipou sua edição com o objetivo de “agredir” a imagem de Dilma e “afetar a lisura do processo eleitoral”.

Devido a isso, se valem de um dispositivo da minirreforma eleitoral, que permite a retirada de conteúdo de sites da internet e de redes sociais material ofensivo a candidatos. Em seu voto, Gonzaga destaca que a minirreforma, aprovada a menos de um ano das eleições, só valerá para o próximo pleito, por isso, não atendeu o pedido do PT e sequer analisou se o conteúdo era ou não ofensivo a Dilma.

A presidente Dilma Rousseff aproveitou o horário eleitoral gratuito desta sexta para responder aos ataques da revista. Em longo discurso, a candidata petista classificou de “terrorismo” o que a publicação faz.

“Não posso me calar frente a esse ato de terrorismo eleitoral articulado pela revista ‘Veja’ e seus parceiros ocultos. Uma atitude que envergonha a imprensa e agride a nossa tradição democrática. Sem apresentar nenhuma prova concreta e mais uma vez baseando-se em supostas declarações de pessoas do submundo do crime a revista tenta envolver diretamente a mim e ao presidente Lula nos episódios da Petrobras, que estão sob investigação da Justiça”, afirmou a presidente logo no início da fala.

continua após publicidade