Política

Marina muda comercial para centrar fogo em Dilma e poupar Aécio

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Marina muda comercial para centrar fogo em Dilma e poupar Aécio
fonte: Foto: Leo Cabral/ MSILVA Online
Marina muda comercial para centrar fogo em Dilma e poupar Aécio

SÃO PAULO, SP - A campanha de Marina Silva (PSB) fez duas mudanças no comercial que produziu para que a pessebista se defendesse diretamente dos ataques que vem recebendo nos últimos dias. Quase idêntico à propaganda anterior, o novo filme exibe uma mudança sutil, mas fundamental: centra as críticas na presidente Dilma Rousseff (PT), poupando o candidato do PSDB, Aécio Neves.

continua após publicidade

Na peça anterior, registrada pelo partido na Justiça Eleitoral, um locutor dizia que "os jornais mostram que os adversários da Marina estão se desesperando e começaram a apelar". A frase era ilustrada com imagens de reportagens de diferentes veículos com críticas de Dilma e Aécio direcionadas a Marina.

A peça foi substituída por uma publicidade que preserva a estética da primeira, mas com foco apenas na adversária petista.

continua após publicidade

"Os jornais mostram que Dilma e o PT estão se desesperando e começando a apelar", diz o locutor no novo texto, desta vez emoldurado com imagens de reportagens com ataques da petista a Marina.

O fim das duas peças é idêntico: "Tome muito cuidado com o que dizem por aí. Porque quanto mais a Marina subir, mais o nível dos adversários vai descer".

A mudança no comercial ocorre num momento em que o Aécio adota uma postura mais "light" em relação a Marina, com o discurso de que faz "oposição qualificada", centrada do debate de ideias e sem ataques pessoais. Na quinta, Aécio chegou a criticar comercial exibido pelo PT em que Marina é comparada aos ex-presidentes Jânio Quadros e Fernando Collor. O tucano disse "discordar" da abordagem.

continua após publicidade

De forma discreta, o PSDB tem discutido internamente qual será a posição do partido em um eventual segundo turno sem Aécio, que hoje está em terceiro lugar nas pesquisas eleitorais, quase 20 pontos percentuais atrás das adversárias do PT e do PSB, tecnicamente empatadas.

Na quarta-feira (10), Aécio disse em sabatina ao jornal "O Globo" que, se perdesse a eleição, só tinha um caminho: o da oposição. Quadros históricos de seu partido e do DEM, no entanto, defendem uma adesão a Marina caso ele fique mesmo fora da disputa.