Política

Marina diz que assessora não era 'satanizada' quando ajudava o PT

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Marina diz que assessora não era 'satanizada' quando ajudava o PT
fonte: Foto: Vagner Campos / MSILVA Online
Marina diz que assessora não era 'satanizada' quando ajudava o PT

Alvo de críticas do PT em razão de ter a herdeira de um banco como uma das coordenadoras de sua campanha, a candidata do PSB à Presidência, Marina Silva, ironizou nesta quarta-feira (10) as declarações de petistas em torno da socióloga Neca Setubal.

continua após publicidade

Durante agenda eleitoral em São Paulo, a ex-senadora afirmou que o partido da presidente Dilma Rousseff não satanizava sua assessora na época em que ela atuou na campanha do prefeito paulistano Fernando Haddad. Segundo Marina, em meio às eleições de 2012, Neca, acionista do banco Itaú, era tratada pelo PT como "educadora", e não como "banqueira".

"Há uma visão autoritária de um setor da esquerda que se estiver a serviço deles, então, você está ungido pelo manto da sua proteção. E se você tem uma outra escolha, aí você passa a ser satanizado. É só verificar que a Neca [Setubal], como educadora, ajudou o programa do Haddad", disse Marina Silva durante visita à Casa de Isabel, entidade filantrópica da capital paulista que disponibiliza atendimento jurídico e terapia para cidadãos de baixa renda que foram vítimas de violência doméstica e familiar.

continua após publicidade

"Naquele momento [eleição municipal de 2012], ela [Neca] era tratada como educadora. Agora, ela está sendo tratada como banqueira. Ela é uma pessoa que tem o direito de se colocar no mundo como qualquer outra", complementou a ex-senadora.

Nesta terça (9), Marina já havia rebatido a acusação da campanha presidencial do PT de que ela entregaria o país a banqueiros, se fosse eleita. A presidenciável do PSB afirmou, durante compromisso eleitoral na região metropolitana de Belo Horizonte, que a adversária petista criou em seu governo a "bolsa banqueiro", em referência aos gastos do governo com sucessivos aumentos na taxa de juros.

Em resposta à provocação, Dilma declarou nesta terça, em tom irônico, que ela não tem banqueiro a apoiando nem a sustentando. “Não adianta falar que eu fiz bolsa banqueiro. Eu não tenho banqueiro me apoiando. Eu não tenho banqueiro me sustentando", ressaltou a candidata do PT à reeleição.

Confira matéria AQUI