Política

Lewandowski libera documentos do Conselho de Ética para a defesa de Vargas

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Lewandowski libera documentos do Conselho de Ética para a defesa de Vargas
fonte: Foto: arquivo
Lewandowski libera documentos do Conselho de Ética para a defesa de Vargas

BRASÍLIA, DF - O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Ricardo Lewandowski determinou na noite de quinta-feira (24) que os advogados do deputado André Vargas (sem partido-PR) devem ter acesso aos autos do processo, bem como tirar cópia dos documentos.

continua após publicidade

O parlamentar responde no Conselho de Ética da Câmara por quebra de decoro parlamentar devido ao seu envolvimento com o doleiro Alberto Youssef.

O advogado de Vargas, Michel Saliba, ingressou com um mandado de segurança na corte na quarta-feira (23) e alegou no pedido de liminar que o presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), o presidente do Conselho de Ética, Ricardo Izar (PSD-SP), e o relator do caso, Júlio Delgado (PSB-MG), "estariam ouvindo as testemunhas de defesa sem lhes conceder devido e amplo acesso aos autos do processo ético-disciplinar e seus apensos, que montam em mais de 13 mil páginas".

continua após publicidade

Além disso, Saliba afirma que sem ter conhecimento do que está nos autos da representação disciplinar seria impossível elaborar a defesa técnica.

Na liminar, o ministro afirma que a Constituição Federal assegura a ampla defesa e o contraditório àqueles que respondem a processos criminais ou administrativos. Lewandowski ressaltou também que o Estatuto da Advocacia "garante ao advogado o acesso aos autos e a obtenção de cópias de qualquer processo, seja qual for o órgão dos poderes Judiciário, Legislativo e Executivo".

Delgado afirma, no entanto, que desde que os documentos do STF sobre as investigações contra Vargas foram encaminhados à Câmara, os advogados e o próprio deputado puderam ter acesso ao seu conteúdo. De acordo com o relator do caso, eles deveriam fazer a leitura do material no Conselho de Ética porque um ato da Câmara proíbe a cópia dos autos quando as informações são mandadas com sigilo para a Casa.

continua após publicidade

"Poderiam [ler] a hora e momento que quisessem. Como investigado, o próprio André já detinha parte destes. Não tiveram acesso porque não quiseram", disse o relator à reportagem.

A defesa de Vargas pediu ainda que o trâmite do processo no conselho fosse suspenso, mas o ministro negou esta solicitação. Delgado afirmou ontem que irá encerrar a fase de oitivas na próxima terça-feira (29) e que deverá apresentar, dentro do prazo regimental de dez dias, o seu parecer na primeira semana de agosto, quando a Câmara realizará um esforço concentrado.

Se o relatório indicar que Vargas quebrou o decoro parlamentar, Delgado poderá indicar penas que vão desde uma advertência até a cassação do mandato. O documento terá que ser votado pelo colegiado, que precisa ter, no mínimo, 11 deputados presentes para deliberar.

continua após publicidade


CASO

Vargas responde a um processo por quebra de decoro parlamentar devido ao seu envolvimento com Youssef em dois episódios: um voo em um jatinho emprestado pelo doleiro e o suposto uso de influência do parlamentar junto ao Ministério da Saúde para viabilizar um contrato com o laboratório Labogen com o órgão para a formalização de um contrato de R$ 35 milhões para produção de medicamentos.

Na próxima semana, o conselho ainda pode ouvir três testemunhas de defesa além do próprio André Vargas. No entanto, o deputado afirma que está fora de cogitação a sua presença no colegiado sem a realização da oitiva destas pessoas. "Não há a menor hipótese de eu depor sem antes as testemunhas deporem. É uma afronta ao meu direito de defesa", disse Vargas à Folha nesta quinta. Ele classificou a decisão do relator de encerrar as oitivas na próxima semana como "um absurdo".

Na reunião do conselho realizada na quinta, Delgado argumentou que o colegiado já convidou por quatro vezes as testemunhas e elas ainda não compareceram. Por isso, irá cumprir o prazo regimental de 40 dias destinados a ouvir testemunhas e colher provas.

No entanto, para Vargas, "as provas são mais importantes que os prazos". "Nenhum processo até o momento obedeceu este prazo. E nenhum processo ocorreu em período eleitoral com Copa do Mundo e recesso ao mesmo tempo", disse.