Política

Defensor de Vargas, petista garante que ele não fez lobby por laboratório

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Defensor de Vargas, petista garante que ele não fez lobby por laboratório
fonte: Foto: Valter Campanato/ Agência Brasil
Defensor de Vargas, petista garante que ele não fez lobby por laboratório

BRASÍLIA, DF - Principal defensor do deputado André Vargas (sem partido-PR) na Câmara, o deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP) afirmou nesta terça-feira (01) ter convicção de que Vargas não fez lobby no Ministério da Saúde para beneficiar o laboratório Labogen, que segundo investigações da Polícia Federal, foi usado pelo doleiro Alberto Youssef para lavar dinheiro.

continua após publicidade
continua após publicidade
continua após publicidade
continua após publicidade

Em depoimento ao Conselho de Ética da Casa, o petista reafirmou conhecer Youssef "há muito tempo" mas negou saber que ele era doleiro e disse que nunca fez reuniões políticas e de negócios com o doleiro. Vaccarezza é uma das testemunhas do processo que investiga a quebra de decoro parlamentar de Vargas por sua relação com o doleiro.

continua após publicidade

"Diante dos fatos já publicados, tenho a convicção de que André não fez lobby para a Labogen. Se tivesse feito, não teria a minha defesa. Lobby no Brasil feito por deputado é crime. Eu o defendi porque não costumo jogar para a plateia ou fazer coisas para aparecer na mídia. Acho que o cidadão tem direito de defesa e por isso eu o defendi" afirmou durante a oitiva. Ele no entanto, confirmou que já presenciou Vargas e Youssef conversando.

De acordo com investigações da Polícia Federal, a Labogen foi usada para lavar milhões de reais oriundos dos negócios de Youssef.

Vargas teria auxiliado o doleiro a conseguir um contrato no ministério para o laboratório no valor de R$ 31 milhões. Em uma das mensagens interceptadas pela Polícia Federal na Operação Lava Jato, Vargas e o doleiro aparecem conversando sobre o laboratório.

continua após publicidade

Vaccarezza foi convidado para prestar depoimento no Conselho de Ética por ter defendido Vargas publicamente durante a publicação de denúncias e por ter, segundo investigações da Polícia Federal, participado de uma reunião em sua casa com Vargas e o doleiro.

"Nunca na vida me reuni com os dois para tratar de Labogen ou de outro assunto qualquer. Nem de política e nem de negócios. O que André me disse é que tinha recebido um pedido sobre esse assunto e tinha encaminhado. Mas não tenho nem certeza se foi o Youssef. Não tenho conhecimento se André teve essa tratativa. Nunca houve reunião na minha casa para tratar desse assunto", afirmou Vaccarezza.

Para o deputado, o erro cometido por Vargas foi o empréstimo do jatinho usado por ele e a família para uma viagem de férias. Os custos foram bancados por Youssef. "Acho que Vargas cometeu erro gravíssimo que eu não sabia que foi a utilização do avião. Aquilo ali eu acho que é um erro porque ele pediu um avião e não tratou de forma adequada", avaliou.

continua após publicidade

DEFESA

No início da reunião, o presidente do colegiado, deputado Ricardo Izar (PSD-SP), informou que o conselho recebeu hoje do STF (Supremo Tribunal Federal) as informações referentes a Vargas no inquérito que tramita na Corte. Diante do anúncio, o advogado José Roberto Batochio pediu ao conselho que transferisse o depoimento de Vaccarezza para outro dia afim de que, tanto a defesa quanto os deputados, pudessem ler as cerca de quatro mil páginas para embasar os questionamentos.

O pedido chegou a ser votado pelos integrantes do conselho que decidiram manter a oitiva de Vaccarezza. "A defesa se sente impossibilitada de fazer perguntas porque não conhece o teor dos autos", disse Batochio.

Os advogados irão avaliar a possibilidade de questionar o trâmite na Justiça. Para Delgado, se isso for feito, ficará demonstrado a intenção de protelar o andamento do processo. "Talvez eles estejam aguardando a decisão do TSE [Tribunal Superior Eleitoral] para definir se o mandato de Vargas é do PT. Porque se o tribunal decidir assim, nosso processo acaba já que ele não vai mais ser deputado", afirmou Delgado.

A defesa também pediu o adiamento das oitivas com os sócios da Labogen, Leonardo Meireles e Esdras Ferreira, que está marcado para esta quarta-feira (2). No entanto, Delgado informou que ambos já estavam a caminho de Brasília e por isso não seria possível adiar os depoimentos.

O relator pretende questioná-los sobre a intermediação que teria sido feita por Vargas com o Ministério da Saúde para garantir contratos.