Política

Ministro diz ter "confiança no futuro governo" de Garotinho

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Ministro diz ter "confiança no futuro governo" de Garotinho
Ministro diz ter "confiança no futuro governo" de Garotinho

RIO DE JANEIRO, RJ - O deputado Anthony Garotinho (PR) foi confirmado neste domingo (29) como candidato a governo do Rio sendo o único no Estado com a presença de representantes do governo federal. O ministro Ricardo Berzoini (Relações Institucionais) disse ter "confiança" na candidatura do ex-governador.

"Estou aqui para trazer o abraço da presidente Dilma Rousseff. A presidente Dilma certamente terá outros apoios aqui no Rio. Mas fazemos questão de registrar o nosso apreço, carinho, reconhecimento e principalmente, a nossa confiança na campanha e no governo futuro de Anthony Garotinho", disse o ministro durante a convenção do PR-RJ, num centro de convenções no centro do Rio.

Berzoini foi um dos articuladores da aliança entre o PR e Pros no Estado. Ele pressionou a nova sigla a apoiar Garotinho, a fim de lhe dar mais tempo de TV e garantir o apoio do ex-governador à presidente. Além do deputado, também disputam o governo outros três candidatos da base de Dilma: os senadores Lindbergh Farias (PT) e Marcelo Crivella e o governador Luiz Fernando Pezão (PMDB).

Garotinho, contudo, foi o único a contar com a presença de um membro do Diretório Nacional do PT e do governo federal. Berzoini afirmou que foi ao evento "porque fui convidado e porque a presidente Dilma pediu que viesse".

"O governo reconhece a atuação do deputado Garotinho como coerente, que defendeu propostas. Nem sempre concordou com o governo, mas sempre esteve aberto ao diálogo. Garotinho está no campo popular. Há outras candidaturas que dialogam com a presidente", disse Berzoini.

O Planalto considera importante obter compromissos com o máximo de candidatos ao governo possível. O objetivo é tentar deixar sem palanque o senador Aécio Neves (PSDB) num eventual segundo turno no Rio. O tucano vai apoiar Pezão, que, após pressão do governo federal, reafirmou apoio a Dilma.

Garotinho, contudo, atacou a posição de Pezão, que anteriormente afirmara que receberia em seu palanque os três candidatos a presidente --além de Dilma e Aécio, o pastor Everaldo (PSC). "Eu não tenho dois lados. Não podemos ser dúbio com o eleitor, apoiar dois candidatos. O Pezão parece que é dona Flor. Eu só tenho um lado", disse Garotinho.

ALIANÇAS LOCAIS
Garotinho disse que espera contar com o apoio de Crivella. Ele não anunciou o nome de seu vice aguardando um eventual apoio do PRB, cuja convenção tornaria neste domingo (29) oficial a candidatura do senador.

O Pros indiciou o deputado Hugo Leal como candidato a senador pela chapa. O deputado disse revelou também um pacto de não-agressão firmado com Lindbergh. O objetivo é atacar o governo Pezão.

"Temos que nos poupar. Temos um adversário em comum que é o PMDB. Não há porque atacar um candidato que pode ser meu aliado no segundo turno", disse Garotinho.

O ex-governador afirmou que, se eleito, cancelará a concessão do Maracanã e a renovação do contrato com a Supervia, que administra o serviço de trens no Rio. Ele acusou o ex-governador Sérgio Cabral de vínculo com millícias que atuam no Estado. "Tem miliciano na antessala do governador", afirmou durante o ato.

A convenção lotou o centro de convenções Sul América, no centro do Rio, com capacidade para 5.000 pessoas. O ato contou com duas apresentações de cantores gospel e com o pai do goleiro Júlio César, citado em quase todos os discursos. 

continua após publicidade