Política

Eleição em meio à guerra da Síria deve reafirmar Assad no poder

Da Redação ·
 Sírios fazem fila em local de votação no centro de Damasco nesta terça-feira (3) (Foto: Louai Beshara/AFP)
fonte:
Sírios fazem fila em local de votação no centro de Damasco nesta terça-feira (3) (Foto: Louai Beshara/AFP)

Começaram na manhã (horário local) desta terça-feira (3) as eleições presidenciais da Síria, mesmo com o país em meio a uma guerra civil. O processo deve confirmar Bashar al-Assad no poder. Um dos motivos é que só deve haver votação nas áreas sob o controle de seu exército, após mais de três anos de uma guerra civil que deixou o país em ruínas.

continua após publicidade

Mais de 15 milhões de sírios estão convocados a votar e o presidente só terá como rivais dois candidatos autorizados por ele para tentar legitimar a consulta: o deputado independente Maher al-Hayar e o empresário membro da oposição tolerada Hassan al-Nuri.

Nenhum adversário real do regime participa da eleição que, em teoria, é a primeira em mais de meio século para eleger o chefe-de-Estado sírio. Tanto Bashar quanto seu pai, Hafez al-Assad, que governou com mão-de-ferro entre 1970 e 2000, foram designados mediante referendos,

continua após publicidade

Como informa a agência AFP, os opositores denunciam uma farsa porque o poder se blindou contra qualquer imprevisto ao impedir as candidaturas de exilados e exigir que qualquer aspirante ao cargo contasse com o patrocínio de 35 deputados de um Parlamento amplamente dominado pelo governismo.

São "concorrentes" de Assad nesta votação dois candidatos pouco conhecidos: o deputado Maher Abdel Hafez Hayar, membro da oposição tolerada, e o ex-ministro Hassan Abdullah al Nouri.

Nascido em 1960, na capital Damasco, Nouri foi ministro de Estado para o Desenvolvimento da Administração Pública e de Assuntos Parlamentares entre 2000 e 2002, além de deputado de 1998 até 2003.

continua após publicidade

Por sua vez, Hayar (nascido em Aleppo, em 1968) tem um amplo histórico de militância em partidos de esquerda. Em 2003, detalha a agência Efe, fundou junto com outros dirigentes esquerdistas o Comitê Nacional Comunista da Síria e foi um de seus líderes até que a legenda mudou seu nome para Partido da Vontade Popular, tornando-se secretário-geral de seu conselho executivo.

Este grupo é um dos integrantes da Frente Popular para a Mudança e a Libertação (FPCL), um dos principais agrupamentos da oposição tolerada pelas autoridades e que conta com cadeiras no parlamento.

Tanto Hayar como Nouri desenvolveram campanhas baseadas em anúncios pela televisão e nas redes sociais e empregaram um discurso similar ao de Assad, fundamentado na 'luta contra o terrorismo' para pôr fim à guerra na Síria.

continua após publicidade

As candidaturas destes dois aspirantes, junto com a de Assad, foram as únicas declaradas válidas do total de 24 que foram apresentadas à Suprema Corte Constitucional, que descartou aquelas que não cumpriam com os requisitos estabelecidos pela lei eleitoral.

Segundo a norma, aprovada em março pelo parlamento, os aspirantes devem ter o apoio de pelo menos 35 dos 250 deputados do parlamento unicameral, que só podiam respaldar um candidato por pessoa.

"Esta eleição não se propõe a medir a popularidade do regime, mas a demonstrar sua capacidade de forçar o país, ou melhor, as regiões que controla, a apresentar sua fidelidade", afirma Volker Perthes, diretor do Instituto Alemão de Política Externa e Assuntos de Segurança.