Política

Paulo Skaf agradece apoio de Dilma, mas diz ser adversário do PT

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Paulo Skaf agradece apoio de Dilma, mas diz ser adversário do PT
fonte: Foto: arquivo
Paulo Skaf agradece apoio de Dilma, mas diz ser adversário do PT

SÃO PAULO, SP - Citado pela presidente Dilma Rousseff como a "fórmula" da base governista para derrotar o PSDB em São Paulo, o pré-candidato ao governo do Estado Paulo Skaf (PMDB) agradeceu à presidente nesta segunda-feira (2), mas disse ser "adversário do PT no Estado".

continua após publicidade

"A Presidência da República é uma instituição, mais do que uma pessoa. Se a presidente da República tece um elogio, eu só tenho a agradecer a ela. Mas em São Paulo, o PT tem um candidato a governador, então, neste momento, o PT é adversário do PMDB em São Paulo", afirmou, após almoço com empresários da Câmara do Comércio Brasil-Líbano, ao ser questionado se chamaria Dilma para seu palanque durante a campanha.

Dilma disse, em jantar fechado com a cúpula e congressistas do PMDB no dia 27, que conta com a candidatura de Skaf para impedir a reeleição de Geraldo Alckmin (PSDB). "Temos duas candidaturas, uma que é a do ex-ministro [Alexandre] Padilha [PT], e o Skaf. Acredito que é essa a fórmula do segundo turno. Então quero enfatizar esse fato, a gente não pode ser ingênuo e não perceber o que significa uma derrota dos tucanos em São Paulo, sendo bem clara", discursou Dilma à plateia peemedebista.

continua após publicidade

O pré-candidato paulista, que deixou a presidência da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) no dia 31 para se dedicar à campanha, esteve no evento ao lado do vice-presidente Michel Temer (PMDB). Em discurso aos empresários, Temer o apresentou como "nosso candidato a governador".

Depois do evento, o vice-presidente afirmou que não entrou "em pormenores" sobre a possibilidade de um palanque duplo de Dilma no Estado, mas afirmou que "é evidente que aqui no Estado o PT tem uma candidatura que ela deve apoiar". "Mas sinto que ela tem uma simpatia pela candidatura do Paulo", disse.

Segundo Skaf, na área federal "a história é outra". "O vice-presidente está na chapa da presidente. Aqui, estamos disputando com o PT", afirmou.

continua após publicidade


ALIANÇAS

Até o momento, o PMDB fechou apoio de apenas um partido, o Pros, com 20 deputados na Câmara, à candidatura de Paulo Skaf ao governo de São Paulo. Segundo assessores, o peemedebista também conversa com o PDT para fechar a composição e aumentar o tempo de televisão na propaganda eleitoral, atualmente com menos de quatro minutos.

Skaf diz apenas que tem conversa "praticamente fechada" com mais um partido. "Está tudo muito bem encaminhado, mas não está 100%. Por essa razão, temos que aguardar mais uns dias", disse.

De acordo com o pré candidato, a chapa pode não estar fechada até a convenção do partido, em 14 de junho. "Vamos anunciar a vice [candidatura] essa semana e acho que até o dia 14 vamos ter a chapa completa. Acho. Se não tiver, também não é problema, podemos delegar ao diretório a decisão sobre o Senado e suplência", completou.