Política

Marina critica relatório sobre Código Florestal

Da Redação ·
 Área mínima de preservação nas margens dos rios seria reduzida de 30 para 7,5 metros
fonte: googleimagens.com
Área mínima de preservação nas margens dos rios seria reduzida de 30 para 7,5 metros

A senadora Marina Silva (PV-AC), pré-candidata à Presidência, fez nesta quarta-feira (9) duras críticas ao relatório do deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP) sobre as alterações no Código Florestal. O documento foi apresentado na terça-feira (8) à comissão especial que debate o assunto na Câmara dos Deputados.

continua após publicidade

A um dia do lançamento oficial da candidatura à Presidência pelo PV, Marina também desafiou os outros pré-candidatos a se manifestarem sobre o projeto, para não serem considerados "omissos e coniventes" com as alterações propostas ao código.

continua após publicidade

Pelo relatório de Aldo Rebelo, a área mínima de preservação ambiental às margens dos rios seria reduzida de 30 para 7,5 metros. O deputado também propõe que seja responsabilidade dos Estados as áreas desmatadas que devem ser recuperadas, inclusive com espécies exóticas. Na Amazônia, onde a proteção é maior, leis estaduais poderão reduzir para até 20% o porcentual de preservação das propriedades com vegetação de cerrado.

continua após publicidade

Ex-ministra do Meio Ambiente, Marina Silva convocou a imprensa na tarde de hoje e desfiou duras críticas ao relatório. Segundo a senadora, as propostas de alteração do Código Florestal "constituem mais do que um retrocesso contra os 20 anos de legislação ambiental brasileira".

- Nunca vi um argumento tão fora de propósito e descontextualizado do que se está sendo posto no mundo. (...) Nem o Micheletto conseguiu fazer um relatório tão nefasto.

continua após publicidade

Marina fez referência ao deputado Moacir Micheletto, notório defensor dos interesses ruralistas.

continua após publicidade

As críticas de Marina Silva foram dirigidas em especial à dispensa da exigência da Reserva Legal das propriedades com até quatro módulos. A Reserva Legal determina a proteção ambiental de 20% de cada propriedade. A senadora apontou que 70 milhões de hectares teriam a Reserva Legal dispensada caso a proposta seja aprovada.

- A atualização do código deve ser para proteger mais as florestas - e não o contrário.
Outra crítica foi disparada contra a possibilidade de haver anistia a quem desmata. Caso o projeto seja aprovado, os responsáveis pelo desmatamento de 40 milhões de hectares entre 1996 e 2008 ficariam sem punição.