Política

Renan deve indicar na segunda-feira integrantes da CPMI da Petrobras

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Renan deve indicar na segunda-feira integrantes da CPMI da Petrobras
fonte: José Cruz/ Agência Brasil
Renan deve indicar na segunda-feira integrantes da CPMI da Petrobras

O presidente do Senado, Renan Calheiros, deve indicar na segunda-feira (19) os nomes que faltam para compor a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da Petrobras. Até a manhã de sexta (16), apenas o PT (com duas vagas) e o Pros (com uma vaga) da Câmara dos Deputados não haviam designado seus representantes na comissão.

continua após publicidade

No Senado, não havia ainda indicações do Bloco de Apoio ao Governo (PT-PDT-PSB-PCdoB-Psol-PRB) e do Bloco Parlamentar da Maioria (PMDB-PP-PSD-PV). Cada bloco tem direito a cinco vagas. A CPMI será composta por 16 deputados e 16 senadores como titulares.

Renan Calheiros afirmou ontem que vai adotar os mesmos critérios de indicação de nomes já usados para a CPI exclusiva do Senado. Pelas regras, as lideranças partidárias têm prazo de até cinco sessões da Câmara dos Deputados para apontar os membros de CPIs. Se não o fizerem, o presidente do Senado, que também preside a Mesa do Congresso Nacional, deverá escolhê-los em até três sessões.

continua após publicidade

“A única coisa que depende do presidente e eu vou fazer no prazo é a indicação dos nomes dos partidos que não indicarem. Vou seguir os mesmos prazos que segui com a CPI do Senado”, afirmou Renan.

Com a designação dos nomes, a CPMI da Petrobras poderá começar a trabalhar logo em seguida. A primeira reunião deve ser convocada pelo integrante mais velho, que também deve coordenar a eleição do presidente da comissão. Cabe ao presidente eleito a escolha do relator.

Outra CPI para investigar a Petrobras foi instalada no Senado na última quarta (14). A comissão, que é presidida pelo senador Vital do Rêgo (PMDB-PB) e tem como relator o senador José Pimentel (PT-CE), marcou o primeiro depoimento para terça (20). Vai ser ouvido o ex-presidente da Petrobras, Sérgio Gabrielli.