Política

Para acomodar aliados, Alckmin adia trocas no secretariado

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Para acomodar aliados, Alckmin adia trocas no secretariado
fonte: Foto: Arquivo
Para acomodar aliados, Alckmin adia trocas no secretariado

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), decidiu adiar para as próximas semanas as trocas em seu secretariado em uma tentativa de reacomodar na administração estadual partidos que poderão apoiar a sua reeleição.

Ontem em reunião na sede do governo paulista, o tucano anunciou a permanência na Casa Civil do secretário Edson Aparecido e a saída dos secretários que disputarão as eleições deste ano. As exonerações foram publicadas na edição de hoje do "Diário Oficial".

continua após publicidade
confira também

Em seus lugares, ficarão, por enquanto, os secretários-adjuntos. Com a exceção de Saneamento, que deve ser mantido o presidente estadual do PV, Marco Antônio Mroz, os demais serão substituídos.

O PRB, que detém o Desenvolvimento Social, tem cobrado do governo estadual a indicação também do comando da Fundação Procon de São Paulo. O PTB, atualmente em Esporte, pode ser realocado para Justiça.

Em troca do apoio do PP, o governo de São Paulo considera acomodar o partido, que detinha o controle da CDHU (Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano), na Habitação.

Na última segunda-feira, Aparecido reuniu-se com o presidente estadual da sigla, Paulo Maluf, na casa do pepista, na capital paulista. Os dois ficaram de marcar um novo encontro na próxima semana, após conversa de Maluf com o presidente nacional do PP, Ciro Nogueira.

Para o Desenvolvimento Econômico, pasta comandada pelo DEM, o governador ainda não decidiu se indicará para o posto Marcos Cintra, indicado pelo ex-secretário Rodrigo Garcia, ou João Otaviano Machado Neto, ex-secretário municipal de Serviços e Obras na gestão de Celso Pitta (1997-2001).