Política

Oposição diz ter apoio para CPI conjunta com Senado

Da Redação ·
Oposição diz ter apoio para CPI conjunta com Senado (Foto: Agência Senado)
Oposição diz ter apoio para CPI conjunta com Senado (Foto: Agência Senado)

Deputados da oposição anunciaram na noite de ontem ter reunido 176 assinaturas - cinco a mais do que o número mínimo exigido - em uma das listas que circula pela Câmara em busca de apoio para a criação de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar a Petrobras.

Esse pedido para apurar irregularidades na estatal foi elaborado pelo líder do PPS, Rubens Bueno (PR), e cria uma comissão conjunta com o Senado, mas ainda não houve adesão dos senadores nesta lista.

Mais cedo, oposicionistas do Senado disseram ter reunido 27 assinaturas necessárias para instalar a CPI da Petrobras na Casa. Como os pedidos são diferentes, segundo técnicos da Câmara, há dificuldades regimentais para unificar os pedidos de investigação.

Para uma CPI mista, eles terão que colher novas assinaturas nas Casas legislativas que ainda não apoiaram o requerimento. Para Bueno, não há problemas para criar a CPI mista.

"Estou anunciando as assinaturas para apurar os desmandos da Petrobras e em favor do patrimônio do povo brasileiro. Quero chegar até a semana que vem a 200 assinaturas", disse Bueno.

Nos bastidores, oposicionistas admitem o descompasso da oposição em busca da CPI. A justificativa é de que todos quiseram mostrar serviço.

No Senado, a CPI quer investigar a compra da refinaria Pasadena (EUA) que envolve a presidente Dilma Rousseff, suspeita de refinarias superfaturadas e irregularidades em plataforma, além da suspeita de que a empresa holandesa SBM Offshore, que aluga plataformas a companhias de petróleo, pagou suborno a empresas em vários países, incluindo o Brasil.

O pedido do PPS também fala em investigar contratos com a SBM, contratos com a Construtora Odebrecht, fechado em 2010, investigado no Tribunal de Contas da União, por suspeita de superfaturamento e a refinaria de Pasadena, entre outros contratos internacionais.
 

continua após publicidade