Política

Apucarana: 13 mil eleitores ainda não trocaram seus títulos

Da Redação ·
Como o levantamento é manual, ainda não há um número exato de pessoas que procuraram o Fórum para efetuar o remanejamento (Foto: Sérgio Rodrigo)
fonte:
Como o levantamento é manual, ainda não há um número exato de pessoas que procuraram o Fórum para efetuar o remanejamento (Foto: Sérgio Rodrigo)

Cerca de 70% dos mais de 19 mil eleitores que pertenciam à 150ª Zona Eleitoral da Comarca de Apucarana, transferida para Santa Fé, ainda não procuraram o cartório para efetuar a troca dos títulos. A estimativa foi dada ontem pelo Fórum Eleitoral. Caso o procedimento não seja feito até às vésperas da eleição, os mais de 13 mil cidadãos ficarão impedidos de votar no pleito de 5 outubro.

Em agosto do ano passado, o Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR) transferiu a 150ª Zona Eleitoral de Apucarana para a recém-criada comarca de Santa Fé. Com a mudança, eleitores de Cambira e Novo Itacolomi, além da zona rural de Apucarana, precisam regularizar seus títulos eleitorais. “Em breve, vamos retomar as visitas a essas localidades para fazer mais convocações”, afirma a técnica judiciária, Naira Lucia Nunes André.

Como o levantamento é manual, ainda não há um número exato de pessoas que procuraram o Fórum para efetuar o remanejamento. Mas ela estima que 30% do eleitorado envolvido procurou o local portando CPF, RG, Título de Eleitor e comprovante de residência para realizar o procedimento. ”O processo é simples e inteiramente gratuito”, assinala. A maior parte da demanda envolvida pertence ao município de Apucarana, seguido de Cambira e Novo Itacolomi (ver gráfico).


Apesar de ainda haver nove meses de prazo, ela recomenda que a procura seja feita o quanto antes. “Quanto mais próximo do prazo final, mais serviço temos. Agora, está mais tranquilo, mas nos últimos dias é possível que a pessoa espere até quatro horas na fila”, pontua ela, completando que o movimento deve começar a crescer em maio, com o fim do prazo para transferência do título eleitoral.              

continua após publicidade