Política

STF encerra processo para João Paulo Cunha, que deve ser preso

Da Redação ·
 João Paulo Cunha, ao se defender na Câmara das condenações (Lucio Bernardo Jr./Câmara)
fonte:
João Paulo Cunha, ao se defender na Câmara das condenações (Lucio Bernardo Jr./Câmara)

Por Severino Motta e Fernanda Odilla

BRASÍLIA, DF, 5 de janeiro (Folhapress) - O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Joaquim Barbosa, encerrou o processo pelos crimes de corrupção e peculato (desvio de dinheiro público) do deputado João Paulo Cunha (PT-SP), que pode ser preso a qualquer momento.

Pelos dois crimes, Cunha irá cumprir uma pena de 6 anos e 4 meses de prisão. Como ela ficou abaixo de 8 anos, será no regime semiaberto.

Em sua decisão, Barbosa destacou que os recursos apresentados por Cunha contra os crimes de peculato e corrupção --conhecidos como embargos infringentes-- eram "manifestamente incabíveis e protelatórios". Por isso, encerrou o processo e determinou o início do cumprimento da pena.

Para que a prisão seja efetuada, Barbosa ainda terá que expedir o mandado de prisão contra o deputado. Não há informações se isso já foi feito. Oficialmente, a Polícia Federal diz que ainda não recebeu o documento para realizar a detenção.

Barbosa destacou que Cunha não obteve o mínimo de quatro votos por sua absolvição nos dois crimes --elemento necessário para a apresentação dos embargos infringentes.

Além de corrupção e peculato, Cunha também foi condenado por lavagem de dinheiro. Neste crime, contudo, ele obteve os quatro votos, e sua condenação está suspensa até o julgamento de seu recurso.
 

continua após publicidade