Política

Campos Machado diz que Marina é "Getúlio Vargas de saia"

Da Redação ·
Para formar a Rede, Marina tem adotado o discurso de renovação da política e de crítica (Fonte da imagem:  pt.wikipedia.org
fonte:
Para formar a Rede, Marina tem adotado o discurso de renovação da política e de crítica (Fonte da imagem: pt.wikipedia.org

SÃO PAULO, SP, 4 de outubro (Folhapress) - O deputado estadual Campos Machado, secretário-geral do PTB, ofereceu hoje espaço para que a ex-senadora Marina Silva se filie à sigla e dispute a Presidência pelo partido em 2014.

"Ela é a Getúlio Vargas de saia. O programa do PTB -com a questão das leis trabalhistas, nacionalismo, Petrobras- está em total conformidade com o que ela vem pregando", diz.

Para formar a Rede, Marina tem adotado o discurso de renovação da política e de crítica a estruturas partidárias existentes. A busca por fontes de energia alternativas ao petróleo também faz parte do programa da Rede.
 

continua após publicidade
confira também



Apesar disso, ele diz não ver incoerência. "Novo mesmo, só se ela formasse o partido, mas o PTB é a opção para ela continuar a pregação dela dentro da sua linha programática."

Campos disse ter contatado aliados da ex-senadora e afirma aguardar resposta. "Estamos querendo deixar uma outra opção para ela, mas sem constrangê-la."

O PTB é a oitavo partido a oferecer a legenda para que Marina se candidate. Sobre espaço para aliados de Marina, ele disse que "a gente acaba acertando isso em todos os Estados".

Ontem, o Tribunal Superior Eleitoral rejeitou o pedido de registro da Rede, o que impede que Marina dispute a Presidência pela sigla em 2014. Para concorrer, ela precisaria se filiar a outro partido até amanhã, por exigência da legislação.

Segundo o deputado Walter Feldman (PSDB-SP), da Executiva da Rede, a ex-senadora já havia recebido ontem o convite de sete outros partidos.

Votação no TSE

O Tribunal Superior Eleitoral negou o registro da Rede Sustentabilidade por 6 votos a 1, após concluir que seus organizadores não alcançaram o respaldo popular exigido pela legislação, de pelo menos 492 mil eleitores --faltaram quase 50 mil assinaturas.

"Não temos o registro, mas temos a ética", disse Marina a aliados que a abraçaram após o fim da sessão, que ela acompanhou no plenário do TSE.

A ex-senadora chegou ao TSE de braços dados com a socióloga Maria Alice Setubal, uma das herdeiras do banco Itaú, e ao lado de articuladores da Rede e de seis congressistas que pretendiam se filiar à nova legenda.

As esperanças da Rede começaram a ruir logo no início da sessão, com o voto da relatora do processo, Laurita Vaz, que considerou "inconcebível no ordenamento jurídico" o pedido da Rede para que o TSE aceitasse quase 100 mil assinaturas rejeitadas sem justificativa pelos cartórios eleitorais nos Estados.