Política

Pessuti diz que CPI do Pedágio comprova luta do PMDB

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Pessuti diz que CPI do Pedágio comprova luta  do PMDB
Pessuti diz que CPI do Pedágio comprova luta do PMDB

O ex-governador Orlando Pessuti, disse nesta quinta-feira (19), que as considerações feitas pelos técnicos do Tribunal de Contas do Paraná, na CPI do Pedágio, só vieram comprovar que o sistema implantado no Estado foi instituído de forma equivocada no seu conceito.

Para Pessuti, os relatórios apresentados pelo TC, feitos por meio de auditoria, bem como documentos e depoimentos oferecidos à CPI que investiga os contratos, “mostram de forma cristalina nossa convicção de que, os contratos do pedágio no Paraná, foram firmados com uma série de erros e precisa ser revisto”, avaliou.
 

continua após publicidade
confira também



Ele lembrou que em 2010, quando foi governador, tentou um acordo com as concessionárias visando a revisão dos contratos. Incumbiu para tanto,o secretário dos Transportes, Mario Stamm Júnior. “Mas o diálogo não prosperou porque as concessionárias exigiam, em troca, a prorrogação dos contratos. E isso nós jamais concordamos”, enfatizou Pessuti.

Tarifas menores – O ex-governador reforçou que é possível baixar o custo do pedágio. Ele exemplificou o modelo que está sendo adotado nos leilões do Governo Federal para a concessão de rodovias e comparouos valores cobrados no Paraná com a proposta vencedora no leilão da rodovia BR 050, que liga Goiás a Minas, onde a tarifa será de R$ 4,50 para cada 100 Km de estrada.

“Isso significa que alguma coisa está errada com os valores cobrados pelas concessionárias paranaenses”, analisou o ex-governador.

Superfaturamento – o deputado estadual Péricles de Mello (PT), membro da CPI do Pedágio, denunciou que, desdeo início da implantação do sistema em 1998, as concessionárias chegaram a superfaturar obras em até 100%. Essa foi a conclusão de um estudo feito por um consultor contratado, que na opinião do parlamentar, resultou “numa das tarifas mais caras do mundo”.