Política

Com popularidade em baixa, Dilma afaga movimentos sociais e prefeitos no Paraná

Da Redação ·

Por Estelita Hass Carazzai, Enviada especial PONTA GROSSA, PR, 16 de julho (Folhapress) - Num momento de popularidade em baixa, a presidente Dilma Rousseff procurou elogiar os movimentos sociais que acompanharam sua visita hoje à cidade de Ponta Grossa (a 118 km de Curitiba). A petista tem intensificado a aproximação com esses grupos desde os protestos de junho, após os quais a aprovação de seu governo caiu de 52% para 38%, segundo o Datafolha. "Nós vivemos num país especial, em que conversamos e temos diálogo com os movimentos sociais", afirmou. "Eles ajudaram muito o governo federal nesse que foi um dos melhores programas que fizemos, o Minha Casa Minha Vida, dando sugestões e principalmente fazendo pleitos e reivindicações." Dilma participou da entrega de 1.438 casas do Minha Casa Minha Vida na cidade paranaense. O investimento foi de R$ 74,5 milhões. Também foram entregues retroescavadeiras a 42 municípios do Estado, para a construção e recuperação de estradas vicinais. A presidente citou os coordenadores do MNLM (Movimento Nacional de Luta por Moradia) e do CMP (Central de Movimentos Populares), presentes ao evento, e os elogiou pela contribuição a programas habitacionais do governo. Os prefeitos também foram contemplados: todos os 42 políticos que receberam as retroescavadeiras tiraram fotos ao lado da presidente, que disse que tem "compromisso de melhorar as condições de trabalho nos municípios" e destacou a importância das prefeituras. Ela também relembrou a verba de R$ 3 bilhões que prometeu aos prefeitos na semana passada, em cujo anúncio foi vaiada. Desta vez, não houve vaias ou protestos a Dilma. A presidente foi bastante aplaudida pela plateia, formada por beneficiários das casas e políticos. Ela desceu do palco para cumprimentar populares e tirar fotos após o discurso. Bolsa família A petista também afirmou que "manterá enquanto for necessário" o Bolsa Família, que disse ser importante para "garantir uma renda mínima para a população mais pobre". O programa foi alvo de boatos de que seria extinto no mês passado, após a Caixa ter antecipado o pagamento dos beneficiários. O presidente da Caixa, Jorge Hereda, esteve no evento em Ponta Grossa, mas não falou com a imprensa. Também participaram da cerimônia os ministros Gleisi Hoffmann (Casa Civil), Paulo Bernardo (Comunicações), Aguinaldo Ribeiro (Cidades) e Pepe Vargas (Desenvolvimento Agrário), além do governador do Paraná, Beto Richa (PSDB).  

continua após publicidade