Política

PMDB quer incluir fim da reeleição no projeto que Congresso vai discutir

Da Redação ·

Por Márcio Falcão BRASÍLIA, DF, 16 de julho (Folhapress) - O PMDB vai defender a inclusão na reforma política do fim das doações diretas para candidatos, passando exclusivamente para os partidos, e da reeleição a partir de 2018. O fim da reeleição havia sido defendido também pelo PSDB, quando o partido apresentou os pontos que pretende incluir na reforma política. Segundo o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), os dois temas estão sendo discutidos pelo partido. A Câmara vai instalar hoje um grupo de trabalho para discutir uma reforma política. A ideia é que o texto seja votado no segundo semestre. O relator dos trabalhos será o deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP). "Seria proibido o financiamento direto ao candidato. Acabar com esse vínculo [entre candidatos e doações], como ocorre hoje e causa especulações que não podem acontecer. Sobre o fim da reeleição tende a respeitar os atuais mandatos e não ocorrerá mais o principio da reeleição", disse Eduardo Alves. A doação exclusiva para partido é polêmica e pode enfrentar resistência do Ministério Público Eleitoral. Uma das críticas é que o partido poderia beneficiar potenciais candidatos e dificultar o controle na prestação de contas. A ideia da reforma política com validade na próxima eleição, depois de passar por um plebiscito, foi sugerida ao Congresso pela presidente Dilma Rousseff em resposta às manifestações de rua. A proposta acabou sepultada pelos deputados por dois fatores: o fato de Dilma anunciar o plebiscito sem consultar antes o Congresso e o prazo de 70 dias estabelecido pelo Tribunal Superior Eleitoral para organizar a votação. Agora, os parlamentares prometem produzir uma reforma política em 90 dias. O trabalhos vão começar em agosto. A ideia de Alves é que os parlamentares consultem suas bases para trazer propostas sobre a reforma política.  

continua após publicidade