Política

Enriquecimento ilícito no Brasil acaba não dando em nada, diz Alckmin

Da Redação ·





SÃO PAULO, SP, 9 de julho (Folhapress) - O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), disse na manhã de hoje que é a favor do fim do foro privilegiado e da mudança na legislação para fazer da corrupção um crime hediondo, pautas que estão sendo colocadas no Congresso num esforço de promover uma agenda positiva.

"No mundo inteiro você tem problema de corrupção. A diferença é que nos outros lugares vai pra cadeia quem é rico. E, no Brasil, o que a gente verifica é que crimes contra o patrimônio público, enriquecimento ilícito, pessoas que usam da política para fazer fortuna, isso acaba não dando em nada".

Médicos

Alckmin afirmou ainda que ouvirá especialistas sobre a proposta do governo federal de aumentar a carga horária do curso de medicina e obrigar alunos a atuarem no SUS. Numa crítica velada à iniciativa, o governador disse que o problema da área no Brasil é "falta de recurso federal".

"O grande problema hoje da saúde é falta de recurso por parte da área federal. O município tem que investir no mínimo 15% [ de seu orçamento], o estado no mínimo 12% e o governo federal não tem esse percentual. Então, o que falta é recurso. O problema é esse", afirmou.

Alckmin chegou a afirmar que o "maior desafio" da atual gestão é "a saúde".

O ministro da área, Alexandre Padilha (PT) é cotado para disputar o governo do Estado contra o tucano em 2014.
 

continua após publicidade