Política

Simpatizante do regime militar e ativistas "disputam" praça no RS

Da Redação ·

Por Felipe Bächtold PORTO ALEGRE, RS, 3 de julho (Folhapress) - Ativistas dos direitos humanos e simpatizantes do regime militar travam uma disputa no terreno onde funcionava uma unidade do Exército em Porto Alegre. A ONG Movimento de Justiça e Direitos Humanos, com o apoio da prefeitura da capital gaúcha, vai instalar nas próximas semanas no local, na região central da cidade, uma placa informando que ali existiu um quartel onde foram praticadas torturas e prisões ilegais. A iniciativa faz parte do projeto "Marcas da Memória", que prevê a indicação pública de lugares usados pela ditadura para cometer crimes. Curiosamente, na semana passada o vereador João Carlos Nedel (PP), conhecido por defender o regime militar, inaugurou em solenidade um novo nome para o trecho de rua que passa em frente ao local: General Zenóbio da Costa, em homenagem ao fundador da polícia do Exército, morto em 1962. Nedel foi o autor de um projeto instituindo o nome. A inauguração contou ainda com a presença de militares da reserva e da ativa. O prédio onde funcionava o quartel já não existe mais. Na placa que conta o histórico do local, os ativistas pretendem informar que ali Carlos Lamarca, um dos mais famosos opositores do regime, permitiu a fuga de um oficial que havia sido detido. No ano passado, manifestantes que pedem a punição de crimes da ditadura fizeram um protesto na praça e colaram adesivos com referências às torturas ocorridas no quartel. O ativista Jair Krischke, do Movimento de Justiça, diz que a iniciativa do vereador de batizar a via em frente é uma "reação" ao plano de sinalizar locais usados pela repressão na cidade. Também critica a homenagem a um militar em um lugar que ficou conhecido por crimes do regime. Procurado pela reportagem, Nedel, 71, diz que desconhece o "Marcas da Memória" e que nem sabia da inauguração do monumento pela ONG. "Aquela rua não tinha nome e foi uma forma de homenagear o Exército. Os militares ficaram muito satisfeitos", diz. Para ele, o país "perde tempo" com investigações sobre aquele período. Em 2011, Nedel ajudou a barrar iniciativa de vereadores do PSOL que propunha tirar de uma grande avenida de Porto Alegre o nome do primeiro presidente do regime, Castello Branco.  

continua após publicidade