Política

Governo-Benefício - (Atualizada)

Da Redação ·

DEM pede convocação de ministros para falarem do caso Bolsa Família




Por Gabriela Guerreiro e Márcio Falcão

BRASÍLIA, DF, 27 de maio (Folhapress) - Em mais uma ofensiva da oposição, o DEM pediu hoje a convocação dos ministros Guido Mantega (Fazenda) e Tereza Campello (Desenvolvimento Social) para explicarem na Câmara dos Deputados a antecipação do pagamento do Bolsa Família.

O partido apresentou dois requerimentos nas Comissões de Fiscalização e Controle e Finanças e Tributação da Casa.

Se as convocações forem aprovadas, os ministros serão obrigados a comparecer ao Congresso para explicar o episódio do boato que levou milhares de pessoas a agências da Caixa Econômica Federal para sacarem o dinheiro do benefício.

O DEM também apresentou pedido para o presidente da Caixa, Jorge Hereda, ser convidado a falar sobre o caso.

"Diante de tal desencontro de informações e, mais ainda, diante das falsas declarações apresentadas pela diretoria da Caixa Econômica Federal sobre a liberação dos benefícios do programa Bolsa Família e as razões que levaram à alteração do calendário de pagamentos do programa, julgamos fundamental a presença dos ministros da Fazenda e do Desenvolvimento Social e Combate à Fome nesta Casa, para esclarecerem o tema", disse o líder do DEM, deputado Ronaldo Caiado (GO).

PSDB

Os senadores Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) e Álvaro Dias (PSDB-PR) também encaminharam pedido ao Ministério Público para investigar se dirigentes da instituição cometeram crimes de improbidade administrativa e falsidade ideológica no episódio.

Segundo a oposição, está claro que "membros da alta administração do banco" podem ter contribuído para os boatos.

Em defesa da Caixa, o senador Wellington Dias (PI), líder do PT no Senado, diz que o boato foi propagado por uma central de telemarketing, com sede no Rio de Janeiro, sem qualquer participação do banco. Sobre a antecipação do pagamento do benefício, Dias disse que isso é algo "normal" nas instituições financeiras.

Por se tratar de um convite, o presidente da Caixa não é obrigado a comparecer no Congresso. Os requerimentos também precisam ser aprovados pelas comissões para que Hereda fale aos deputados e senadores.

"Houve uma mentira flagrante do pessoal da Caixa. A antecipação do pagamento do benefício é que provocou o tumulto", disse Aloysio.

O banco público é responsável pela distribuição do benefício. No último dia 18, boatos sobre o fim do programa provocaram corrida às agências da Caixa em 13 Estados.
 

continua após publicidade