Política

Campos diz que faltou diálogo ao governo

Da Redação ·

JOINVILLE, SC, 15 de maio (Folhapress) - O governador de Pernambuco e presidente nacional do PSB, Eduardo Campos, afirmou hoje que as dificuldades enfrentadas pelo governo federal na votação da Medida Provisória dos Portos no Congresso refletem falta de diálogo com do Planalto com o Legislativo. "Não houve um debate antes. O governo preferiu essa posição por causa da complexidade da matéria e pela urgência. Pela minha experiência na Câmara, essa pressão é porque deve ter faltado diálogo do governo com o Congresso", afirmou Campos, que participou de evento em Joinville (SC). Campos se opôs ao projeto original do Planalto porque ele transferia ao governo federal a condução de licitações de novos terminais em portos públicos estaduais, como o de Suape (PE). O governador chegou a ir ao Congresso pedir mudanças no texto, quando discutiu com a ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann. A emenda ao texto original que fazia uma concessão parcial a Campos, ao abrir a possibilidade de o Planalto deixar a cargo dos Estados a decisão sobre licitações em portos como o de Suape, acabou rejeitada na Câmara na noite de ontem. Campos disse que "sempre defendeu" a MP dos Portos, principalmente a negociação com os trabalhadores portuários e a prerrogativa de os Estados gerirem os portos. Eleições Cotado como candidato a presidente em 2014, Campos manteve a postura discreta que assumiu nas últimas semanas. Afirmou que 2013 não é ano para montar palanques, mas cuidar da agenda econômica. Ele negou, por exemplo, que a conversa que manteve na última segunda com o presidente do PSD, Gilberto Kassab, tenha girado em torno de composições para o próximo ano. "O Brasil precisa retomar o crescimento econômico. O ano de 2011 teve um desempenho inferior a 2010 e 2012 foi pior do que 2011. Então precisamos trabalhar muito em 2013 para ser um ano bom. Daí em 2014 a gente vê", afirmou.  

continua após publicidade