Política

Serra diz que continuará dando aulas se for eleito

Da Redação ·
 Serra disse que a experiência como professor foi essencial
fonte: Google Imagens
Serra disse que a experiência como professor foi essencial

O pré-candidato à presidência da República, José Serra (PSDB), disse ontem que, se for eleito presidente, irá manter um hábito que adotou à frente do executivo: dar aula em escola pública. "Tempo tem e vou fazer", afirmou, em entrevista, por telefone, ao programa Geraldo Freire, da "Rádio Jornal", em Recife (PE).
 

continua após publicidade

Serra contou que dava aulas esporadicamente na quarta série do ensino fundamental, sem a presença da imprensa. Segundo ele, a experiência foi importante para aprender o que fazer na área da educação. "Você está lá, olhando, testando, vendo o que os alunos aprenderam de matemática, português", disse, ao observar que esta avaliação o levou a fazer mudanças relativas ao material para alunos e professores, por exemplo.
 

Serra destacou que a família e a educação serão o centro do programa social do seu governo. Por isto, não somente garantiu que pretende manter o Bolsa Família, como irá buscar maneiras de abrir oportunidades de futuro para os jovens das famílias que recebem o benefício, com oferta de ensino técnico e profissionalizante. Segundo o ex-governador de São Paulo, em média 20% dos jovens brasileiros estão desempregados. Ele afirmou ter recebido o governo paulista com 70 mil jovens no ensino técnico e deixou o cargo com 170 mil.
 

continua após publicidade

Para não deixar dúvidas sobre sua disposição de manter e aprimorar o Bolsa Família - preocupação levantada por ouvintes da rádio - Serra deu exemplo do que fez com o bilhete único, implantado pela ex-prefeita de São Paulo, Marta Suplicy (PT). Disse que ao assumir a prefeitura, ampliou o programa e as pessoas puderam pegar ônibus e também metrô com o mesmo bilhete.
 

Indagado por Geraldo Freire se tinha vergonha da presença do ex-presidente Fernando Henrique na sua campanha, foi direto: "Como poderia rejeitá-lo?" indagou, ao lembrar que, como ministro da Saúde, no governo de FHC, teve total apoio do então presidente para enfrentar multinacionais na quebra de patentes, a fim de implantar o programa de genéricos, assim como no Programa Saúde da Família. "Avançamos muito na época", avaliou. "Hoje a saúde não está bem".