Política

Feliciano classifica morte de John Lennon como uma revanche de Deus

Da Redação ·





SÃO PAULO, SP, 8 de abril (Folhapress) - Um vídeo divulgado pela internet de um culto evangélico presidido pelo deputado Marco Feliciano (PSC-SP) revelam mais opiniões polêmicas do pastor, que sofre pressão para deixar a Comissão de Direitos Humanos da Câmara.

Durante a pregação, Feliciano sustenta que a morte de John Lennon, ex-integrante dos Beatles, foi por revanche de Deus. Segundo o deputado, Lennon afrontou a Deus ao afirmar que a banda era mais popular que Jesus Cristo.

"A minha bíblia diz que Deus não recebe uma afronta e fica impune. Passou um tempo dessas declarações, alguém chama (John John) pelo nome, ele vira e é alvejado com três tiros no peito. Eu queria estar lá no dia em que descobriram o corpo, eu ia tirar o pano de cima e ia dizer me perdoe, mas esse primeiro tiro foi em nome do Pai, esse é em nome do Filho e esse é em nome do Espírito Santo. Ninguém afronta Deus e sobrevive para debochar", afirmou o deputado no culto.

Em dezembro de 1980, quando voltava para o apartamento onde morava em Nova Iorque, Lennon foi abordado por um rapaz que disparou cinco tiros contra ele, dos quais quatro o acertaram.

A Folha de S.Paulo não localizou a assessoria do deputado para comentar o vídeo. Não há data de quando as imagens foram feitas.

Há mais de um mês, quando assumiu o comando da comissão, Feliciano é alvo de protestos que o acusam de racismo e homofobia.

As opiniões do pastor em redes sociais e durante os cultos evangélicos são usados como argumento contra a sua permanência na comissão da Câmara.

O deputado se defende afirmando que são interpretações bíblicas e que há liberdade de culto.
 

continua após publicidade