Política

Ofendida por fala de Feliciano, deputada diz que vai deixar cargo em comissão

Da Redação ·

SÃO PAULO, SP, 1 de abril (Folhapress) - A deputada Antônia Lúcia (PSC-AC) afirmou hoje que vai renunciar ao cargo de vice-presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara. O motivo, segundo ela, é a declaração feita pelo presidente da comissão, pastor Marco Feliciano (PSC-SP), de que o colegiado era "dominado por Satanás" antes de sua chegada ao posto. Feliciano fez as declarações na sexta-feira à noite, durante um culto num ginásio de Passos (348 km de BH), no sul de Minas Gerais. Ao comentar um protesto contra ele que ocorria do lado de fora, afirmou: "Essa manifestação toda se dá porque, pela primeira vez na história desse Brasil, um pastor cheio de espírito santo conquistou o espaço que até ontem era dominado por Satanás". Antônia Lúcia, que também é evangélica, disse que se sentiu ofendida já que faz parte da comissão há três anos. "Em respeito à minha própria pessoa, ao meu trabalho como parlamentar, eu não aceito uma declaração dessas. Eu acho que nós temos que separar igreja de Parlamento." A deputada também defendeu outros integrantes da comissão. "Existiam outras pessoas evangélicas, que quando tomarem conhecimento disso também vão ficar ofendidas. E outro detalhe: convivi durante estes anos todos com o deputado Domingos Dutra [PT-MA, ex-presidente da comissão] e em nenhum momento eu diagnostiquei qualquer atitude dele que me levasse à conclusão de que ele é satânico." Desculpas Pelo Twitter, Feliciano afirma que conversou com a deputada e "explicou" o ocorrido. "Pedi desculpas pelo mal-entendido e ela aceitou", diz. Segundo ele, "2 mil pessoas tiveram seu direito de liberdade de culto violado. Mas o que interessa é que falei sobre satanás que significa adversário". Criada em 1995, a comissão já foi presidida por 15 parlamentares antes de Feliciano. A assessoria de Feliciano afirmou que sua afirmação foi feita dentro de uma igreja, não numa atividade política, e que se trata de uma "opinião religiosa que reflete sua visão espiritual", por isso ele não faria comentários a esse respeito. Uma reunião de líderes partidários prevista para amanhã a fim de discutir a permanência do pastor na comissão foi adiada em razão da ausência do presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), que está de licença médica durante a semana.  

continua após publicidade