Política

PPS quer investigar Lula por acusação de Valério

Da Redação ·





SÃO PAULO, SP, 11 de dezembro (Folhapress) - O presidente nacional do PPS, deputado Roberto Freire (SP), e o líder do partido na Câmara, Rubens Bueno (PR), cobraram hoje a abertura imediata de inquérito para investigar a atuação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no mensalão.

O empresário Marcos Valério afirmou à Procuradoria-Geral da República que pagou despesas pessoais de Lula em 2003, por meio de depósitos na conta de uma empresa do ex-assessor pessoal de Lula, Freud Godoy, segundo revelou elo jornal "O Estado de S. Paulo".

"Diante das declarações dadas ao Ministério Público não resta outro caminho. É abertura imediata de inquérito", afirmou Freire, que no último dia 6 de novembro, junto com o líder do partido e outros parlamentares da oposição, já havia ingressado com representação na Procuradoria Geral da República pedindo a abertura de investigação para apurar a atuação de Lula como verdadeiro chefe da quadrilha do mensalão.

Freire explica ainda que não há necessidade do partido apresentar um adendo a representação, pois o depoimento de Marcos Valério foi dado diretamente ao Ministério Público. "Eles já tem todos os elementos. Então, é hora de dar início à investigação", defende o presidente do PPS.

Valério também relatou que Lula avalizou pessoalmente, em encontro no seu gabinete, no Palácio do Planalto, os empréstimos contraídos junto ao Banco Rural para alimentar o esquema de compra de apoio parlamentar. Ainda segundo Valério, suas despesas com advogado são pagas pelo PT.

Após a nova revelação de Valério, o líder do PSDB no Senado, Álvaro Dias (PR), também vai apresentar à bancada tucana uma proposta pela apresentação de requerimento pedindo a convocação do empresário Marcos Valério Fernandes de Souza, apontado como operador do mensalão, para prestar esclarecimentos. O objetivo é fazer com que Valério apresente mais detalhes do teor de depoimento sigiloso dado por ele ao Ministério Público Federal, em setembro deste ano.
 

continua após publicidade