Política

Projeto proíbe dupla função para motoristas de ônibus

Da Redação ·
Projeto proíbe dupla função para motoristas de ônibus
fonte: Divulgação
Projeto proíbe dupla função para motoristas de ônibus

Projeto de lei de autoria do vereador José Airton Araújo, o “Deco” (PR) proíbe que os motoristas do transporte coletivo no município tenham também a obrigação de cobrar as tarifas dos passageiros. Caso o projeto seja aprovado e sancionado pelo Executivo, a empresa que explora o serviço de transporte coletivo em Apucarana será obrigada a contratar cobrador específico para a função. Projetos semelhantes estão sendo aprovados em outras cidades, inclusive Curitiba.

“Tem havido muita reclamação por parte dos passageiros, principalmente nos momentos de pico. Isso também gera estresse nos motoristas, que são obrigados a exercer dupla função e receber uma só remuneração”, argumenta Deco. Para ele, o estresse no trabalho e a dupla função acabam comprometendo o trabalho do motorista e até abrindo espaço para um risco maior de acidentes. “Nunca na história de Apucarana foi preciso a empresa recorrer a anúncios para contratação de motoristas, como está acontecendo agora. Os profissionais não estão querendo o emprego porque sabem que exercer a dupla função é uma coisa desgastante”, opina o vereador.

Deco diz ter ouvido usuários e motoristas antes de propor o projeto. Segundo ele, todos reclamam que os ônibus estão frequentemente lotados e que os motoristas são obrigados a perder tempo e atrasar a viagem para dar troco, muitas vezes contando moedas. “Vamos ser francos: isso é uma coisa que jamais deveria ter acontecido, pois a função dos motoristas não é ficar contando moedinha para fazer troco e sim cuidar do trânsito”, acrescenta o vereador.

Para Deco, o projeto não deverá ter maiores dificuldades em ser aprovado no plenário. “Os vereadores acompanham o drama do usuário do transporte coletivo em Apucarana e certamente vão ajudar na aprovação desse projeto, que vai ser um passo importante para melhorar os serviços nesse setor”, finaliza.

continua após publicidade