Política

Prefeito eleito quer adiar por um ano projeto do metrô

Da Redação ·

Por Estelita Hass Carazzai CURITIBA, PR, 31 de outubro (Folhapress) - O prefeito eleito de Curitiba, Gustavo Fruet (PDT), quer adiar por um período de seis meses a um ano o lançamento do edital para a construção da primeira linha do metrô na cidade. Isso atrasaria por mais um ano o início da obra, cujo projeto é de 2007. A viabilização do metrô, discutido há cerca de 15 anos na cidade, é propagandeada como uma conquista do atual prefeito, Luciano Ducci (PSB). No ano passado, a presidente Dilma Rousseff esteve na cidade para anunciar o repasse de R$ 1 bilhão para a obra, o que viabilizou sua construção. Até agora, porém, o edital de licitação para o início das obras não foi publicado. Fruet defende o adiamento para "definir qual o melhor projeto, trajeto e custo financeiro". "Não é uma vontade pessoal. Tem uma questão técnica, econômica, financeira. Isso é muito sério", disse, em entrevista à RPC TV, na última segunda-feira. O pedetista critica que apenas uma audiência pública tenha sido feita, e diz que quer debater o projeto com entidades de classe e com a população. De acordo com o Ministério do Planejamento, apesar de haver uma aprovação prévia ao projeto atual, é possível que o prefeito eleito faça alterações até dezembro de 2013, prazo final para o início do repasse dos recursos federais. "[O adiamento] é para ter clareza do que se está assumindo para os próximos 30 anos", diz o economista Fabio Scatolin, coordenador da equipe de transição de Fruet. "É uma discussão técnica; não tem nada com o atual prefeito fazer ou não fazer [a obra]." O pedido para que o edital não seja lançado será feito à prefeitura na semana que vem. O secretário municipal de Planejamento, Carlos Homero Giacomini, diz que a nova gestão tem "todo o direito de analisar o projeto", embora ressalte que isso vá atrasar a obra em um ano. "É um outro governo", afirma. "Mas a nova equipe vai ter que enfrentar a discussão toda outra vez." O Crea (Conselho Regional de Engenharia) diz ser favorável à rediscussão do edital de licitação, para esclarecer alguns parâmetros da obra que "não estão muito claros", mas não a revisão do projeto. "A gente vê isso com certa preocupação, porque pode retardar ainda mais o início da obra", diz o engenheiro Joel Krüger, presidente do Crea.  

continua após publicidade