Política

Gerente defende a Sanepar na Câmara

Da Redação ·
 O gerente da Sanepra em Apucarana, Antônio Mauro anunciou reforço no serviço de abastecimento
fonte: Divulgação
O gerente da Sanepra em Apucarana, Antônio Mauro anunciou reforço no serviço de abastecimento

Atendendo à solicitação dos vereadores, o gerente da Sanepar em Apucarana, Antônio Mauro, esteve na Câmara Municipal na noite de segunda-feira (22). Ele aproveitou o Dia da Água e anunciou reforço no serviço de abastecimento, com a entrada de mais três poços, sendo dois na cidade e outro no distrito de Pirapó. “Eles devem estar funcionando em cerca de cinco meses, devendo suprir a demanda de água em Apucarana pelos próximos cinco anos”, assinalou o gerente da Sanepar.

continua após publicidade

Na semana passada, os vereadores criticaram a falta de água em bairros da periferia e pediram satisfações da Sanepar, lembrando que a Câmara aprovou recentemente a renovação do contrato de concessão por mais 30 anos. Antônio Mauro explicou que a interrupção no fornecimento de água foi uma ocorrência registrada no dia 11, quando houve o rompimento de uma rede de 250 mm por uma empreiteira que estava trabalhando em obras de rede de esgoto. Segundo ele, como se imaginava que a situação seria resolvida em menos de quatro horas, não houve comunicado pela imprensa. “O problema, porém, se prolongou, pois houve despressurização na tubulação. Diante disso, providenciamos caminhões pipa para atender as famílias atingidas”, acrescentou.

Aldivino Marques, o “Val”, (PSC), quis saber a receita e a despesa da Sanepar em Apucarana. Segundo o gerente, a receita mensal é de R$ 1,2 milhão, contra R$ 1,6 milhão de despesa. Ainda de acordo com o gerente regional, mesmo em situação deficitária a empresa está investindo em água e esgoto em Apucarana e tem planejamento para garantir a normalidade dos serviços ao longo do contrato.

continua após publicidade

Lucimar Scarpelini quis saber se os poços anunciados vão garantir a normalidade do abastecimento, considerando-se o crescimento da população de Apucarana. “Por cinco anos, sim. Depois serão necessários outros investimentos, que já estão previstos por nossos engenheiros”, explicou o gerente. Alcides Ramos questionou de onde virá a água no futuro, já que os poços precisam ser cada vez mais profundos. O gerente admitiu que Apucarana poderá ter que buscar água nos rios Tibagi ou Ivaí.

Como várias famílias da periferia ficam sem água rapidamente, mesmo diante de problemas corriqueiros, por não terem caixa d’água, o vereador Júnior da Femac (PDT) defendeu uma ampla campanha de conscientização. Com uma caixa de 500 litros, uma família pode ficar 24 horas sem maiores transtornos em caso de interrupção no fornecimento. Júnior também pediu que a Sanepar informe a população sempre que os cortes no fornecimento durarem mais que duas horas. Hoje isso só é feito quando os cortes duram mais que quatro horas.

Outros vereadores, como Deco e Carmelo Ribeiro, ambos do PR, questionaram Antônio Mauro sobre as obras que deixam danificadas as ruas e calçadas, além do entupimento das bocas de lobo. Antônio Mauro disse que é obrigação das empreiteiras fazerem os reparos necessários. Ele anotou vários trechos com problemas, relacionados pelos vereadores, e prometeu providências.