Política

Presidente do PT diz que quer fortalecer aliança com partido de Kassab

Da Redação ·





Por Giba Bergamim Jr.

SÃO PAULO, SP, 29 de outubro (Folhapress) - O presidente nacional do PT, Rui Falcão, disse em entrevista no fim da manhã de hoje que buscará fortalecer uma aliança nacional com o PSD, de Gilberto Kassab, já para as eleições de 2014.

"Apoiamos o PSD em Ribeirão Preto, com [a prefeita eleita] Dárcy Vera, já no compromisso de que ela estará no palanque da presidente Dilma em 2014."

O presidente do partido avaliou que a vitória de Fernando Haddad, eleito ontem para comandar a Prefeitura de São Paulo, consolida um projeto nacional para o PT.

Em relação à administração de Haddad em São Paulo, Falcão afirmou que todo o quadro de secretários municipais será definido pelo futuro prefeito.

"O governo Haddad irá fortalecer as subprefeituras", afirmou Falcão. "A Marta criou um conselho de representantes das subprefeituras que foi dissolvido por uma ação de José Serra. Isso foi desfeito, inclusive, com a colocação de coronéis nas subprefeituras."

Falcão afirmou ainda que o PT deve seguir lançando novos quadros políticos sem deixar de manter entre seus principais nomes as figuras históricas do partido.

Sobre o eventual lançamento de uma candidatura em 2014 de Alexandre Padilha, atual ministro da saúde, ao governo do Estado de São Paulo, Falcão disse que o tema será discuto a partir do ano que vem, "mas o PT tem vários bons nomes e Padilha é um deles".

Refletindo sobre as derrotas do partido em Diadema, onde Mário Reali (PT) perdeu a disputa para Lauro Michels (PV), e Fortaleza, quando Roberto Claudio (PSB) encerrou a administração petista de mais de sete anos na cidade, Falcão disse que se trataram de circunstâncias locais.

"Em Diadema o discurso do PV foi o discurso do novo", disse, em referência ao mote de campanha que levou Lauro Michels à vitória na cidade, similar ao discurso de "mudança" que a campanha de Haddad usou em São Paulo.

"Em Fortaleza, o candidato vencedor contou com um forte apoio da máquina administrativa", disse Falcão. Naquele Estado, o PSB, que é aliado nacional do PT rachou com o partido.
 

continua após publicidade