Política

Barbosa diz que Lewandowski "barateia demais o crime de corrupção"

Da Redação ·

SÃO PAULO, SP, 23 de outubro (Folhapress) - Na esteira da relação conflituosa ao longo dos quase três meses de julgamento, o relator do mensalão, Joaquim Barbosa, voltou a questionar hoje a atuação do revisor, Ricardo Lewandowski, sobre a definição das penas para os réus condenados. Incomodado com a sugestão de Lewandowski, Barbosa disse que o colega "barateia demais o crime de corrupção". Os ministros discutiam a punição do empresário Marcos Valério, operador do esquema, por corrupção ativa no desvio de recursos do Banco do Brasil. Barbosa sugeriu 4 anos e 8 meses. Lewandowki propôs 3 anos e 1 mês. O relator justificou ainda que os desvios do fundo Visanet, ligados ao Banco do Brasil, somaram R$ 73 milhões. Lewandowski não reagiu a provocação de Barbosa. Antes, ele tinha dito "que a dosimetria [tamanho da pena] é como se fosse a dose de um medicamento (...) Não pode ser maior nem menor, tem que ser na dose certa", disse. Diante do impasse, os ministros suspenderam a votação, que será retomada amanhã. Valério foi condenado pelos crimes de formação de quadrilha, corrupção ativa, peculato, lavagem de dinheiro e evasão de divisas. O plenário do Supremo já definiu que a pena do empresário será de pelo menos 11 anos. Foram 2 anos e 11 meses por formação de quadrilha. Por desvios de recursos da Câmara, que tiveram a participação do deputado João Paulo Cunha (PT-SP), Valério foi condenado por 4 anos e 1 mês por corrupção ativa e 4 anos e 8 meses por peculato.  

continua após publicidade