Política

PF prende prefeito, vice e vereador sob suspeita de extorsão

Da Redação ·





Por Giovana Perine

FLORIANÓPOLIS, SC, 14 de setembro (Folhapress) - O prefeito, o vice-prefeito e um vereador do município catarinense de Governador Celso Ramos (43 km de Florianópolis) foram presos em flagrante pela Polícia Federal na noite de ontem no momento em que supostamente receberiam propina de um empresário local.

Eles estavam extorquindo o empresário do ramo imobiliário e ficariam com R$ 45 mil em troca da liberação de uma obra de drenagem pluvial num loteamento, segundo a polícia.

No depoimento à PF, o prefeito Anisio Soares (PMDB) negou a acusação de extorsão e disse que o dinheiro seria para as campanhas de seu candidato a sucessão na prefeitura, o vice Manoel Marcelo Cunha (PMDB), e de reeleição do vereador Alcemir Alves (PMDB).

Segundo o advogado do prefeito, Antônio Carlos Brasil Pinto, não houve exigência de valores, mas um pedido de colaboração para as campanhas. "O dinheiro seria declarado, o que é perfeitamente legal."

O encontro, em um shopping na região de Florianópolis, estava sendo monitorado pela Polícia Federal depois da denúncia feita pelo empresário, que não teve o nome divulgado.

Segundo o delegado Roberto Cardoso, os políticos estariam exigindo cerca de R$ 80 mil em dinheiro e um terreno no município para liberar a obra de drenagem.

"Na hora teriam negociado com o empresário um valor menor", afirma o delegado.

O advogado de Anísio Soares afirma que a obra já estava autorizada pelo município, mas como a prefeitura não tinha recursos para executá-la, ele sugeriu que a associação de moradores do loteamento comprasse o material necessário para a drenagem. "Nessa reunião, o prefeito também foi levar essa autorização", afirma.

O advogado do vice-prefeito e do vereador, Anderson Nazário, afirma que seus clientes desconheciam o motivo da reunião. Ele ingressou no Tribunal de Justiça com pedido de liberdade provisória dos dois.

O advogado do prefeito vai entrar com pedido de habeas-corpus de Anisio Soares.

Os três estão presos na Superintendência da Polícia Federal em Florianópolis.
 

continua após publicidade