Política

Marta diz que Haddad terá candidatura alavancada por ela, Lula e Dilma

Da Redação ·





Por Gabriela Guerreiro

BRASÍLIA, DF, 12 de setembro (Folhapress) - Na véspera de ser empossada no Ministério da Cultura, a senadora Marta Suplicy (PT-SP) disse hoje que Fernando Hadadd (PT) vai ter sua candidatura à prefeitura de São Paulo alavancada depois que ela, o ex-presidente Lula e a presidente Dilma Rousseff entraram em sua campanha.

Marta disse que "Lula é Deus", Dilma é "bem avaliada" e ela deixou marcas na capital paulista que vão fazer a diferença em favor do petista.

"O trio Lula, Dilma, Marta é muito forte. O Lula é Deus. Dilma é bem avaliada e eu tenho o apelo de quem fez. Então, com a entrada desse trio, vai dar certo."

Marta revelou que, antes de entrar na campanha de Hadadd, disse ao candidato que ele teria que "gastar sola de sapato" para conhecer a cidade. Depois, decidiu entrar na campanha no momento em que percebeu que faria a "diferença".

"Eu vou continuar na campanha. Eu sempre disse que na hora que eu achasse que faria a diferença, eu entraria. E fiz isso. E coloquei carreatas em alguns lugares [da cidade]. Falei para o Haddad para primeiro ele gastar sola de sapato conhecendo a cidade."

A petista disse que "nunca escondeu" sua tristeza por não ter sido escolhida pelo PT para disputar a prefeitura de São Paulo. Por isso, escolheu o seu momento para entrar na campanha. "Sempre disse: na hora em que fizer a diferença, eu entro. E vi nas carreatas que já começou a fazer a diferença."

Sobre a liderança de Celso Russomanno (PRB) na corrida pela prefeitura de São Paulo, Marta disse que vai recuperar o voto de "martistas e petistas" que hoje apoiam o candidato.

"O Russomanno tem votos um pouco dele, de petistas, de martistas, de gente que rejeita o Serra e de eleitores que não sabiam quem era Haddad e Chalita. Vou tentar recuperar os votos de petistas e martistas."

Ministério

Sobre sua ida para o Ministério da Cultura, Marta disse que seu objetivo é "deixar uma marca" para a cultura no governo Dilma Rousseff. "Tenho certeza de que vou deixar marca, como deixei no ministério do Turismo. Vou mergulhar e estudar o ministério para saber quais marcas posso deixar."

A senadora disse que "sempre deixou marcas" por onde passou, especialmente na prefeitura de São Paulo. "Vou dar o melhor de mim. Sempre inovei por onde passei. As marcas que existem em São Paulo fui eu que deixei."

A petista disse que tem vantagem ao assumir o cargo por não pertencer a nenhum grupo cultural, nem militar no setor. "Estou aberta ao diálogo. Vou conversar com todos, ouvir. Primeiro tenho que tomar pé, escutar. Principalmente nesse ministério, onde precisamos do apoio da sociedade."

Marta disse também que vai tentar ampliar a verba do ministério junto à presidente Dilma, embora o orçamento esteja "satisfatório para começar".

A petista afirmou que vai assumir o ministério com "gol de placa", uma vez que o Senado deve aprovar hoje PEC (Proposta de Emenda Constitucional) que permite financiamentos mais ágeis para a pasta.
 

continua após publicidade