Política

Depoimentos de Dilma sobre sessões de tortura vão ser acessados

Da Redação ·
Depoimentos de Dilma sobre sessões de tortura vão ser acessados
fonte: Arquivo
Depoimentos de Dilma sobre sessões de tortura vão ser acessados

O coordenador da Comissão Nacional da Verdade, Gilson Dipp, ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), disse que uma assessora está em Belo Horizonte e que vai acessar o arquivo do Conselho de Direitos Humanos de Minas (Conedh-MG), que guarda o depoimento da presidenta Dilma Rousseff sobre as torturas que sofreu quando estava presa no período da ditadura militar.

“A pesquisadora já estava lá, com pesquisas que tem na Universidade Federal de Minas Gerais [UFMG], e vamos aproveitar para que ela faça esse contato”, disse Dipp à Agência Brasil. Segundo ele, a assessora poderá auxiliar a comissão verificando, além dos arquivos divulgados ontem (17) e hoje (18) pelos jornaisCorreio Braziliense e Estado de Minas, outros documentos que ainda não tenham sido abertos.

continua após publicidade

No testemunho prestado por Dilma Rousseff em 2001, ela descreve as sessões de tortura às quais foi submetida em 1972, em Juiz de Fora. Ela revelou que chegou a ser agredida com socos no maxilar. “Minha arcada girou para outro lado, me causando problemas até hoje, problemas no osso do suporte do dente. Me deram um soco e o dente se deslocou e apodreceu”, relatou Dilma. “Só mais tarde, quando voltei para São Paulo, o Albernaz [capitão Alberto Albernaz, do DOI-Codi] completou o serviço com um soco, arrancando o dente”.

Gilson Dipp disse que ainda não foi discutida, dentro do grupo, a possibilidade de ouvir a presidenta sobre as torturas que ela sofreu em Minas Gerais.

Segundo as reportagens publicadas pelos jornais, do grupo Diários Associados, Dilma tinha 22 anos quando foi presa. Ela militava no Comando de Libertação Nacional (Colina), grupo considerado terrorista pelos militares, e usava codinomes como Estela, Stela, Vanda, Luíza, Mariza e Ana.