Política

'Provarei que sou inocente', diz Demóstenes no Conselho de Ética

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia 'Provarei que sou inocente', diz Demóstenes no Conselho de Ética
fonte:
'Provarei que sou inocente', diz Demóstenes no Conselho de Ética

O senador Demóstenes Torres (sem partido-GO) falou nesta quinta-feira (12) pela primeira vez desde o auge das denúncias de que usou seu mandato para beneficiar o bicheiro Carlinhos Cachoeira. Ele foi à reunião do Conselho de Ética que define nesta quinta quem será relator do processo que vai apurar se houve quebra de decoro parlamentar por parte de Demóstenes.

continua após publicidade


"Farei minha defesa por escrito e depois de forma mais contundente pois serei questionado pelos membros conforme o regimento interno da Casa. [...] O que tem de ser feito judicialmente vai ser feito. Aqui, quero me defender no mérito. Ainda não tive oportunidade de fazer, eu farei e provarei que sou inocente", afirmou Demóstenes aos integrantes do Conselho de Ética..


"Não estou aqui para questionar qualquer ato que tenha tomado o Conselho de Ética, apenas para fazer um alerta e dizer que não farei nada contra o regimento. Considero-me notificado desde ontem [quarta] e os prazos eu obedecerei independentemente do que disserem a partir de hoje [quinta]", disse o senador.

continua após publicidade


Demóstenes parabenizou o novo presidente do Conselho de Ética, Antonio Carlos Valadares, mas questionou os trâmites para a escolha. "O senhor tem história política para levar adiante esta investigação com competência. [...] O que se percebe é que os artigos 24 e 88 não foram cumpridos. E não obstante vossa excelência ter todos os atribudos morais, tem o meu aplauso, mas é fato que as ordens regimentais têm de ser cumpridas. Não há eleição de presidente interino. Todas as eleições nesta Casa são para cumprir o mandato toralmente, ou remanescente. Isto é claro."


A última vez que Demóstenes falou sobre as denúncias referentes ao elo com Cachoeira foi em 6 de março, no plenário do Senado. Ele afirmou, após denúncia de que tinha recebido presente do bicheiro, que era amigo de Cachoeira, mas não tinha negócios com o contraventor. Depois disso, surgiram denúncias e gravações da Operação Monte Carlo apontando que Demóstenes usou o mandato de senador para tentar beneficiar Carlinhos Cachoeira.