Política

DCM dá parecer considerando regulares as contas de Bertoli

Da Redação ·
 Bertoli: “O TC nos deu espaço para esclarecer todas as dúvidas. Que bom se em outras instâncias também se agisse assim”
fonte: Divulgação
Bertoli: “O TC nos deu espaço para esclarecer todas as dúvidas. Que bom se em outras instâncias também se agisse assim”

A Diretoria de Contas Municipais (DCM) do Tribunal de Contas concluiu pela regularidade das contas referentes ao exercício de 2009, do ex-presidente da Câmara de Apucarana, Mauro Bertoli (PTB). “Com isso, a única conta do meu mandato que aguarda apreciação no Tribunal é a referente ao exercício de 2010. Todas as demais ou foram aprovados ou têm parecer pela aprovação, o que comprova a forma responsável e transparente como procuramos conduzir as coisas no exercício da presidência”, afirma Bertoli.

continua após publicidade

Num primeiro momento, a DCM apontou algumas falhas nas contas de 2009, mas aberto o espaço para os esclarecimentos, os técnicos do Tribunal de Contas consideraram que as explicações foram satisfatórias. Um dos questionamentos dizia respeito à não apresentação de regularidade, junto ao Conselho Regional de Contabilidade, do responsável pela escrituração contábil da Câmara.

continua após publicidade

O Legislativo lembrou o falecimento do contador Nízio Gonçalves, em fevereiro de 2010, e encaminhou cópia dos pagamentos da anuidade de 2009, comprovando a regularidade. Também houve questionamentos quanto à alteração dos subsídios dos agentes políticos, mas a Câmara, em sua defesa, encaminhou toda a documentação referente ao processo. Segundo o Tribunal, os documentos, inclusive a publicação da lei no diário oficial, “sana a irregularidade apontada”.

“É muito fácil produzir manchetes escandalosas e atacar as pessoas apontando erros encontrados numa primeira análise. Porém, o Tribunal de Contas abriu espaço para que pudéssemos explicar todas as dúvidas e concluiu que não houve irregularidades. Que bom se em todas as demais instâncias também se agisse dessa forma. É preciso que haja respeito ao princípio da mais ampla defesa até como forma de não se intimidar as pessoas de bem a participar da política”, finaliza Bertoli.