Política

Comissão de Desenvolvimento se reúne na Câmara

Da Redação ·
 Comissão de Desenvolvimento se reúne na Câmara
fonte: Divulgação
Comissão de Desenvolvimento se reúne na Câmara

A Comissão Representativa para o Desenvolvimento de Apucarana, constituída pela Câmara para debater diretrizes em favor do desenvolvimento do município, realizou na manhã desta segunda-feira (26) a sua primeira reunião. A comissão é formada pelos vereadores Júnior da Femac (PDT), Luiz Brentan (PSDB), Marcos Martins (PR),

continua após publicidade


Lucimar Scarpelini (PP) e Telma Reis (PMDB). O projeto que criou a comissão é de autoria de Júnior da Femac. “Nós deliberamos, entre outras coisas, que a equipe vai visitar todas as entidades ligadas à economia do município, como a agricultura, o comércio, a indústria, o
setor de serviços, os profissionais liberais, sindicatos etc. Vamos perguntar o que Apucarana precisa fazer para alavancar o setor econômico, quais são os gargalos que impedem uma expansão maior nesse sentido, depois elaborar um amplo relatório”,
afirma Júnior da Femac.


Segundo ele, cópias do relatório serão destinadas à Prefeitura, aos demais vereadores e à presidência da Câmara e a cada uma das entidades participantes. “É um primeiro esforço para ajudar o município a achar os caminhos para melhorar a renda per capita,
a redução dos índices de pobreza e a geração de emprego e renda”, acrescenta Júnior da Femac. No ano passado, ele propôs um “pacto para o desenvolvimento de Apucarana”. “O que nós dissemos na época, repetimos agora: em Apucarana há um pacto pela educação e um pacto pela segurança. Precisamos de um pacto pelo desenvolvimento”, afirmou Júnior da Femac. Ele lembra que Apucarana tem uma condição privilegiada como município pólo, além de uma população de mais de 120 mil habitantes e várias faculdades. “Temos empresários arrojados e vocação para crescer. É preciso que haja união e a definição de metas. Uma delas é a de pôr Apucarana na lista de 20 municípios com maior participação no ICMS, seja daqui a cinco ou dez anos”, assinalou o vereador.