Política

Mudanças no parquímetro são tema na Câmara

Da Redação ·
Marcelo Zamarin, um dos diretores da Lapaza, enquanto falava sobre as mudanças no parquímetro em Apucarana
fonte: Divulgação
Marcelo Zamarin, um dos diretores da Lapaza, enquanto falava sobre as mudanças no parquímetro em Apucarana

Em 30 a 60 dias, uma série de mudanças estarão sendo implementadas no sistema de estacionamento rotativo de Apucarana. Para tratar sobre o assunto, estiveram na Câmara, na sessão ordinária desta segunda-feira (12), por solicitação do vereador Marcos Martins (PTC), o diretor de Trânsito da Prefeitura de Apucarana, José Luiz Alves Miguel, e Marcelo Zamarin, um dos diretores da Lapaza.

continua após publicidade

Entre as mudanças está a ampliação das cerca de 900 vagas atuais para 1800, atingindo áreas que incluem, por exemplo, as adjacências da Câmara e da Prefeitura. Também serão substituídos os equipamentos, que passarão a receber pagamento em moeda, e ampliado o número de orientadores – dos 35 atuais, vão passar para 70. Outra novidade é que a tarifação passará a ocorrer minuto a minuto, reivindicação antiga dos vereadores e que até se transformou numa ação no Ministério Público.

continua após publicidade


“No final desta semana ou começo da semana que vem, começam a ser demarcadas as novas vagas. Haverá também maior número de vagas para deficientes e idosos”, afirmou José Luiz. Segundo ele, algumas das vagas atuais para farmácia vão ser transformadas em “vagas de curta duração”.

continua após publicidade

O diretor de Trânsito frisa que as vagas especiais precisam ser reservadas de acordo com a Resolução 302 do Contran, que não prevê qualquer espécie de privilégio a estabelecimentos. Alguns vereadores, como Mauro Bertoli (PTB), pediram que a questão das farmácias seja reavaliada. “Muitas vezes a pessoa precisa comprar um medicamento ou tomar uma injeção com urgência e não encontra onde estacionar”, argumentou Bertoli.


O vereador Aldivino da Cruz, o “Val” (PSC), criticou o fato de o contrato com a Lapaza ter sido renovado sem o aval da Câmara, resultando inclusive num embate que está na Justiça. “Eu não reconheço esse contrato enquanto a Justiça não se pronunciar sobre o mérito da questão”, frisou Val. José Luiz explicou, porém, que o contrato inicial com a Lapaza previa uma vigência de cinco anos, renováveis por mais cinco, dentro da legislação que orienta a matéria. Outros vereadores questionaram o excesso de multas, o estacionamento de motocicletas etc.

continua após publicidade

Marcelo Zamarin garantiu que, com as mudanças a serem adotadas, Apucarana terá um sistema mais ágil e mais moderno. “Nós estaremos aqui sempre que a nossa presença for solicitada, pois queremos um bom relacionamento com a Câmara e um bom serviço para a comunidade de Apucarana”, finalizou.