Política

Câmara prepara reajuste e reforma de apartamentos

Da Redação ·
Câmara prepara reajuste de salários e reforma de apartamentos
fonte: Agência Câmara
Câmara prepara reajuste de salários e reforma de apartamentos

A Câmara Federal se prepara para lançar neste mês um novo edital de licitação para a reforma de apartamentos funcionais de deputados e para votar um projeto de reajuste para os cerca de 14 mil servidores da Casa.

continua após publicidade

A licitação será para a reforma de apartamentos funcionais de três prédios destinados à moradia de parlamentares. A reforma custará R$ 30 milhões. Dos 18 prédios da Câmara em Brasília, outros seis já tiveram a reforma concluída, a um custo de R$ 60 milhões.

continua após publicidade

O projeto de reajuste salarial pode ser votado no plenário já na próxima semana, mas isso ainda depende de um acordo de líderes. Segundo a justificativa do projeto, o impacto financeiro dos reajustes será de R$ 207 milhões ao ano no orçamento da Casa. Para 2012, o orçamento previsto da Câmara é de R$ 4,22 bilhões.

continua após publicidade

Apartamentos Para fazer a licitação da reforma dos apartamentos, a direção da Câmara aprovou um remanejamento de R$ 10 milhões no orçamento da Casa neste ano.

De acordo com o quarto-secretário da Câmara, deputado Júlio Delgado (PSB-MG), responsável pela moradia dos parlamentares, o recurso remanejado será utilizado para a reforma de um dos três prédios. Para os outros dois, a Câmara já tinha R$ 20 milhões previstos no orçamento deste ano, informou o deputado.

continua após publicidade

Segundo ele, o remanejamento não trará prejuízos ao orçamento da Casa. Mas ele não informou o que será cortado no orçamento para a realização da obra.

continua após publicidade

"O remanejamento de recursos foi interno, no orçamento da Casa. Se tudo correr como estamos planejando, estaremos entregando os apartamentos destes três prédios reformados até o final de 2012", disse o deputado.

A Câmara tem 513 deputados e 432 apartamentos funcionais, divididos em 18 prédios. Destes prédios, seis já tiveram as reformas concluídas, a um custo de cerca de R$ 60 milhões, segundo Delgado. Os apartamentos a serem reformados estão instalados na quadra 302 da Asa Norte, no Plano Piloto de Brasília. Os deputados que não estão em apartamentos funcionais recebem auxílio-moradia.

continua após publicidade

Neste ano, segundo Delgado, a Câmara entregou três dos seis prédios reformados. Dos três restantes, um deve ser entregue ainda em setembro e outros dois em outubro. De acordo com o quarto-secretário, a Câmara tem 350 deputados ocupando apartamentos funcionais.

Salários Um projeto apresentado pela Mesa Diretora da Câmara dos Deputados que prevê um reajuste, a partir de 2012, para cerca de 14 mil servidores da Casa, pode ser votado em plenário na próxima semana, segundo Júlio Delgado. Pelo projeto, sem considerar gratificações, o menor salário da Câmara, é de R$ 790, e o maior, de R$ 15 mil.

continua após publicidade

O projeto tramita em regime de "prioridade". É assinado pelo presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), pela vice-presidente Rose de Freitas (PMDB-ES), pelo primeiro-secretário da Mesa, Eduardo Gomes (PSDB-TO), pelo segundo-secretário Jorge Tadeu Mudalen (DEM-SP) e pelo próprio Delgado. A matéria precisa também ser votada pelo Senado. Se aprovada, não precisará passar por sanção da presidente Dilma Rousseff.

continua após publicidade

"Como [o projeto] está em regime de prioridade, deve ser votado logo. Pode ser votado na próxima semana, mas tudo depende de um acordo de líderes", disse o secretário.

Delgado afirmou que nesta sexta (9) pediu um novo estudo de impacto financeiro do projeto.

continua após publicidade

A proposta prevê, além de um reajuste no salário base dos servidores da Casa, o pagamento de gratificações aos servidores, que podem chegar a até 115% em alguns salários.

Delgado disse que um dos motivos para o projeto ter sido apresentado foi a recusa de parte dos aprovados no último concurso da Casa, realizado em 2008, em assumir o cargo devido aos salários. Segundo ele, dos 72 chamados, 32 servidores assumiram o cargo.

O último reajuste dos servidores da Casa ocorreu em 2010. "Queremos fazer a correção dos salários para dar mais condições aos nossos servidores", afirmou o secretário.

O líder do governo na Câmara, deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP), disse que não poderia comentar um projeto apresentado pela Mesa que prevê o aumento de gastos, mas afirmou que o governo não recebeu nenhum pedido de aditivo ao orçamento da Câmara.

"O Legislativo tem o seu orçamento e ele não fez pedido de aditivo ao governo. Se ele [Legislativo] administrar os R$ 207 milhões dentro do seu orçamento, tudo bem. O problema é quando traz gastos para a União", afirmou o líder.