Política

Primeiro-ministro do Japão anuncia demissão

Da Redação ·
 Primeiro-ministro do Japão anuncia demissão
fonte: Reuters
Primeiro-ministro do Japão anuncia demissão

O primeiro-ministro do Japão, Naoto Kan, anunciou formalmente nesta quinta-feira (25) sua demissão do cargo, tal como já havia prometido, após se reunir com a executiva de seu partido.

continua após publicidade

Kan, do PD (Partido Democrático), divulgou sua decisão de deixar o cargo após o Parlamento japonês aprovar duas leis promovidas por ele relativas à reconstrução do país depois do terremoto seguido de tsunami de 11 de março.

continua após publicidade

Ele também tinha condicionado sua renúncia à aprovação de outra lei para ativar o segundo orçamento extraordinário para a reconstrução do país, a qual já foi ratificada em julho.

continua após publicidade

- Já que foram cumpridos os três requisitos que estipulei, vou deixar o cargo de presidente do partido, como me comprometi a fazer no dia 2 de junho passado. Uma vez eleito o novo presidente (do PD), abandonarei o cargo de primeiro-ministro.

Na reunião da executiva do PD, Kan fez referência às eleições internas para o novo líder da legenda, previstas para a próxima segunda-feira (29).

continua após publicidade

O PD possui maioria de membros no Parlamento japonês, de modo que o líder previsivelmente se transformará no novo primeiro-ministro do país. A campanha eleitoral de um novo presidente do partido começará neste sábado (27) e os candidatos devem realizar um debate no domingo (28).

Os nomes mais cotados para o pleito são Yoshihiko Noda, atual ministro das Finanças, e Seiji Maehara, ex-ministro de Relações Exteriores.Kan, de 64 anos, tomou posse do cargo no dia 8 de junho de 2010, após a renúncia de Yukio Hatoyama. Embora tenha começado seu governo com bons índices de aprovação, sua popularidade foi caindo paulatinamente até despencar com a crise provocada pelo terremoto seguido de tsunami de 11 do março e pelo posterior acidente na usina nuclear de Fukushima.

Ele foi duramente criticado por sua gestão da crise suscitada após o desastre de março e, desde então, tanto membros de seu partido como da oposição exigiram sua renúncia. Com o abandono de Kan, o próximo chefe de governo será o sexto primeiro-ministro do Japão em apenas cinco anos.