Paraná

'Uma semana de lockdown não será suficiente', diz prefeito de Maringá

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia 'Uma semana de lockdown não será suficiente', diz prefeito de Maringá
fonte: Reprodução/Facebook
'Uma semana de lockdown não será suficiente', diz prefeito de Maringá

Na última sexta-feira (26), o governador Ratinho Jr. impôs algumas medidas para tentar diminuir o número de casos da Covid-19 e, em virtude disso, alguns municípios do Paraná aderiram a esse decreto, dentre eles Maringá

continua após publicidade

Uma das medidas tomadas pelo governo foi o "lockdown", que passou a valer desde o último sábado e vai até o próximo dia 8. Mas, em uma entrevista à CBN Maringá, Ulisses Maia, que é prefeito de Maringá, disse que o prazo de uma semana provavelmente não será suficiente. 

“Esse lockdown que o Governo do Estado estabeleceu contribui, sem dúvida alguma, mas não sei será de apenas uma semana. Vamos analisar os números e verificar o que a Secretaria de Estado da Saúde vai decidir”, argumentou.

continua após publicidade

De acordo com Maia, as medidas impostas estão servindo mais para conscientizar as pessoas do que para reduzir os casos da doença, a ocupação de leitos

“A gente não sabe mais o que fazer para as pessoas – uma parte [delas], evidentemente – cumprirem as medidas de segurança. Nós continuamos recebendo denúncias de festas, de locais que estão fechados com as pessoas dentro. A cidade de Porto Rico no fim de semana, [por exemplo], [estava] lotada de gente. As pessoas precisam entender que nós estamos no caos. Não há profissional de saúde suficiente para atender”, relatou o prefeito. 

“Maringá não precisa, nós temos espaço físico no Hospital Municipal, no Hospital Universitário. O problema é profissional da saúde, na rede pública, privada e nos planos de saúde. As pessoas precisam se conscientizar que nós estamos no pior momento desde que começou a pandemia”, frisa ele. 

continua após publicidade

Ainda conforme o prefeito da cidade, será obrigação da prefeitura averiguar os dados sobre a pandemia no município e, tomar a decisão, de estender ou não o lockdown.

“Se as pessoas não pararem de aglomerar, não manterem o distanciamento e não usarem a máscara, o colapso está anunciado”, salienta.

Com informações; GMC Online