Paraná

Temporais deixam mais de 1,2 mil casas destelhadas no Paraná

As regiões Oeste, Sudoeste, Sul e Metropolitana de Curitiba foram as mais atingidas.

Da Redação ·

A madrugada deste sábado (23) foi marcada por fortes chuvas em diferentes pontos do Paraná. As regiões Oeste, Sudoeste, Sul e Metropolitana de Curitiba foram as mais atingidas. De acordo com o Sistema de Tecnologia e Monitoramento Ambiental do Paraná (Simepar), a passagem de uma frente fria pelo Estado desencadeou temporais acompanhados de muitas descargas elétricas, rajadas de ventos e chuva de granizo em diferentes cidades.

continua após publicidade

Maripá, no Oeste, foi uma das mais atingidas. A Defesa Civil Estadual informou que mais de mil casas foram destelhadas por causa do granizo que atingiu o município. “Há cinco equipes, entre Defesa Civil e Corpo de Bombeiros, atuando desde a madrugada na cidade para ajudar a população”, afirmou o capitão da Defesa Civil do Paraná, Marcos Vidal.

Em menor proporção, Jesuítas e Iracema do Oeste também sofreram com as pedras de gelo – cerca de 100 residências foram atingidas em cada município. Já em Maringá, no Noroeste, as pancadas de chuva provocaram queda  de árvores. Algumas áreas da cidade ficaram sem luz. Até as 10 horas deste sábado (23), segundo a Copel, 65 mil pessoas estavam sem energia na cidade. Paiçandu (20 mil) e Mandaguaçu (13 mil) também registraram ocorrências.

continua após publicidade

Em todo o Paraná, conforme a companhia, são 326 mil pessoas sem energia. Mais de 700 profissionais foram acionados para agilizar a religação.

Interrupção que também afeta o fornecimento de água. Mais de 20 cidades do Estado, de acordo com a Sanepar, estão nesta situação, com destaque para os municípios do Oeste e Sudoeste.

RMC – Em Curitiba e Região Metropolitana várias residências também ficaram sem energia neste sábado (23). Boletim da Defesa Civil, divulgado pela prefeitura da capital, revelou que os ventos chegaram a 32,8 Km/h.

continua após publicidade

De acordo com o Simepar, choveu nesta madrugada 31,2 milímetros (mm) em Curitiba, mais de um terço da média histórica para o mês, que é de 81 mm. Até o momento, o mês de abril registra uma precipitação acumulada de 117,6 mm em Curitiba.

Devido à chuva, a Sanepar informou que houve quedas de energia no sistema de produção da Estação de Tratamento de Água Passaúna, na capital. Pode haver falta de água e/ou oscilação de pressão na rede em vários bairros da Capital, de Araucária, Almirante Tamandaré, Campo Largo e Campo Magro. O abastecimento deve normalizar ao longo do dia, até o período da noite.

ACUMULADOS – Outras cidades do Paraná com grandes acumulados de chuva entre as estações de medição do Simepar foram Goioerê (44 mm), Toledo (42,8 mm), Pato Branco (41 mm), Colombo (40,4 mm), Marechal Cândido Rondon (39,4 mm), Cascavel (38 mm), Ponta Grossa (32,8 mm), Santa Helena (31,4 mm) e Morretes (31 mm).

continua após publicidade

Projeto de lei propõe novos recursos para municípios atingidos pela estiagem dos últimos anos

PREVISÃO – Segundo o boletim meteorológico do Simepar, as chuvas perdem força em todo o Paraná. A tendência é de pontos isolados, como em Curitiba, com perda de intensidade ao longo do fim de semana.

A partir de segunda-feira (25) a previsão é de tempo seco, com a gradativa elevação da temperatura no Estado. “Ainda veremos algumas pancadas neste sábado e domingo, mas logo o sol aparece e o tempo seca. Não há previsão de novas ondas de chuvas fortes no Paraná”, disse o meteorologista do Simepar, Paulo Barbieri.