Paraná

Suspeito de importunação sexual é identificado em Maringá

Ele foi reconhecido após a divulgação de um vídeo que mostra uma mulher que corria na rua sendo apalpada; Veja:

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Suspeito de importunação sexual é identificado em Maringá
Suspeito de importunação sexual é identificado em Maringá

Após a divulgação de imagens de um caso em que um homem em uma motocicleta importunou uma mulher que corria em uma rua da cidade de Maringá à noite, novas denúncias foram feitas e a polícia conseguiu identificar o suspeito. Ele agora é investigado por importunar sexualmente pelo menos cinco mulheres em Maringá.

continua após publicidade

De acordo com a polícia, após a divulgação do primeiro caso, duas mulheres buscaram a polícia denunciando circunstâncias parecidas e os investigadores identificaram outros dois casos anteriores com registro de boletins de ocorrência com as mesmas características.

O homem foi reconhecido porque em um dos casos, a vítima, que estava em uma bicicleta, e o suspeito caíram após a importunação, e a mulher pode identificá-lo.

continua após publicidade

 A Polícia Civil encontrou a motocicleta e chegou até o suspeito, que era irmão do dono do veículo.

De acordo com a polícia, o homem confessou que cometeu os crimes, mas foi liberado porque não houve flagrante. A polícia informou ainda que pediu a prisão preventiva dele à Justiça. Além do crime de importunação sexual, o suspeito será investigado por lesão corporal.

A defesa do suspeito informou que nenhuma acusação ficou comprovada e que vai demonstrar que há divergência nos fatos.

continua após publicidade

ENTENDA O CASO

Uma mulher foi assediada enquanto praticava corrida de rua em Maringá. O caso aconteceu no início de outubro deste ano. A vítima praticava corrida de rua no Jardim Alvorada quando um motociclista se aproximou e passou a mão no corpo dela. Imagens de câmeras de segurança registraram o momento do crime de importunação sexual. Assista clicando no link.

A vítima conversou com a reportagem, mas preferiu não se identificar. O grupo de corrida que ela integra pratica o exercício três vezes por semana na região, no período de início da noite. No momento da importunação sexual, ela estava sozinha. 

continua após publicidade

Segundo ela, foi um momento de horror e a primeira reação foi gritar. “Costumo fazer treino de corrida de rua com um grupo toda terça e quinta no Jardim Alvorada e nunca tinha ouvido falar de nenhum caso parecido por ali. No momento em que o motoqueiro me atacou eu estava sozinha, porque a gente não corre o tempo inteiro juntos, muitas vezes nos afastamos um pouquinho, mas o grupo está sempre por perto. Eu estava rápido até e como ando muito atenta com os carros, percebi que tinha uma luz se aproximando muito perto, mas foi muito rápido. Percebi a luz e imediatamente já senti a mão do motoqueiro na minha nádega, me apalpando. É tão absurda a situação que o cérebro parece que não pensa em nada e a minha reação foi gritar. Foi um horror muito grande, eu gritei muito, xinguei ele e ele fugiu, foi para outro lado”, detalha.

A mulher registrou um boletim de ocorrência e fez um exame médico, porque também foi atingida pela moto e sofreu uma lesão no braço. “No dia seguinte fui na Delegacia da Mulher, fiz o boletim de ocorrência. Me orientaram a fazer uma consulta médica porque a moto havia batido no meu braço direito. Quando ele se aproximou o guidão bateu. Na hora eu nem percebi, porque foi um horror tão grande que eu só senti que meu braço estava doendo no dia seguinte, estava com hematoma. E antes de ir na delegacia eu voltei ao local do crime, procurei as câmeras de segurança das casas ao redor e por sorte uma das casas tinha uma câmera com boa visualização noturna, porque a iluminação pública também é uma questão, não estava muito iluminado o local”, relata.