Paraná

'Sem reação', diz mãe que encontrou serragem no caixão do filho no PR

O caso aconteceu no último sábado (30), em um hospital de Ponta Grossa, nos Campos Gerais do Paraná

Da Redação ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline
O caso é investigado pela Polícia Civil do Paraná
fonte: Reprodução
O caso é investigado pela Polícia Civil do Paraná

"Me senti sem reação". Estas foram as palavras da mãe do natimorto que teve o corpo trocado por um saco de serragem ao ser entregue para a família em um hospital de Ponta Grossa, nos Campos Gerais do Paraná. O caso aconteceu no último sábado (30). Relembre o caso.

continua após publicidade

"Eu me sentia como se tivesse parado tudo. Para mim não era verdade, para mim eu ainda queria acreditar que ela ainda estaria ali", desabafou Larissa, de 19 anos.

A troca foi notada quando a avó e a tia paterna da criança assumiram os procedimentos para realizar o sepultamento em Imbaú, cidade da família. Elas queriam colocar uma roupinha no bebê que faleceu com 24 semanas de gestação, mas ao abrirem o caixão, encontraram apenas o material.

continua após publicidade

As imagens que circulam nas redes sociais foram registradas após a família retirar o que acreditava ser o corpo do necrotério do Hospital Geral da Unimed (HGU). A cooperativa de saúde conversou com a RPC e afirmou que investiga o caso, além de lamentar o ocorrido. Disse, ainda, que câmeras internas mostram cenas do último sábado (30), mas não soube informar porquê o saco com serragens estava no local.

"Nós temos a nossa equipe assistencial, a enfermeira, levando o corpo até o necrotério. Posteriormente nós temos nosso colaborador realizando a abertura desse local e indo até o local para retirada o corpo. No momento então a funerária e os familiares entram no necrotério com a urna funerária e saem desse necrotério com a urna fechada. É importante nós destacarmos que a todo momento estava lá o corpo, e esse pacote, que nós não sabemos a origem, não é de uso hospitalar. Ao que parece é de uso funerário e que as autoridades estão investigando como esse pacote foi parar lá. A funerária juntamente com os familiares vão, entram, nosso colaborador fica na porta, eles retornam já com a urna fechada e saem do necrotério. Oportunidade em que, como era o único corpo no local, ele fecha o necrotério e retorna às atividades", afirmou Andressa Slompo, advogada do HGU.

A família retornou ao hospital, após o momento em que foi identificado que o corpo da criança, que se chamaria Helena, havia permanecido na instituição durante todo o tempo. Ela foi entregue à família na presença da polícia.

continua após publicidade

"Só tivemos conhecimento realmente dos fatos com o retorno da família e das autoridades policiais. Oportunidade em que as câmeras de segurança demonstram que todos foram, retornaram até o necrotério e constataram que o corpo permanecia lá, identificado a todo tempo. Assim como é interessa da família também é interesse do hospital esclarecer todos esses fatos. Nós temos protocolos, nós estamos com uma equipe que realmente lamenta muito todo o ocorrido. Nós estamos prestando todo o apoio, entramos em contato com a família, e também é do nosso interesse que tudo seja esclarecido. Da onde veio esse pacote, da onde é, e que realmente essa família possa ficar tranquila e viva seu luto de uma forma mais tranquila", disse a representante do hospital.


Investigação

continua após publicidade

A Polícia Civil, responsável por investigar o caso, começou a colher depoimentos dos familiares, profissionais da funerária e também de testemunhas. Os representantes do hospital também foram ouvidos.

Conforme o delegado responsável, a investigação apura se houve a intenção de substituição do corpo por serragem. "Nós temos que analisar se todos os protocolos foram obedecidos para a retirada do corpo. Certamente em algum instante houve uma quebra. Isso tudo vai ser objeto de investigação e vai ser analisada a questão do dolo, se realmente houve o intuito da substituição ou não daquele corpo. Isso é fundamental pra finalização da investigação", disse o delegado.

Por nota, a funerária afirmou que seguiu os protocolos no momento da retirada do corpo do hospital e que tudo foi acompanhado pela família. 


Fonte: Informações do g1.

GoogleNews

Siga o TNOnline no Google News