Paraná

"Se for faltar, vai chegar", diz Pazzuelo sobre medicamentos no Paraná

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia "Se for faltar, vai chegar", diz Pazzuelo sobre medicamentos no Paraná
fonte: Divulgação
"Se for faltar, vai chegar", diz Pazzuelo sobre medicamentos no Paraná

O governador Carlos Massa Ratinho Junior, juntamente com o secretário estadual da Saúde Beto Preto e o ministro interino da Saúde, Eduardo Pazzuelo, fizeram um pronunciamento conjunto nesta quinta-feira (23), após reunião técnica para tratar do enfrentamento à pandemia da Covid-19 no Paraná. O estado é um dos que enfrenta maior alta na curva de casos e mortalidade por causa da doença no país. 

continua após publicidade

Uma das questões importantes levadas ao ministro pelo secretário Beto Preto é o baixo estoque de medicamentos e sedativos necessários para pacientes em tratamento nas UTIs. Beto Preto afirmou nesta quarta-feira (22) em uma entrevista, que o estoque do estado daria para apenas mais 4 dias. Sobre isso, o ministro interino da Saúde respondeu que "se for faltar, vai chegar". De acordo com Pazzuelo, se necessário, um estoque de emergência será entregue. "Não temos condições de abastecer todos os estados por 30 dias porque há uma dificuldade na aquisição dos insumos, mas podemos lidar com essas faltas pontuais, remanejando suprimentos de outros estados, utilizando inclusive o exército para apoio logístico na distribuição dos medicamentos, sempre que necessário", explicou.

Pazzuelo comentou ainda o fato de o Paraná ser o segundo estado brasileiro que mais realiza testes para detectar a Covid-19. "A testagem em massa só funciona com estratégias bem definidas no combate ao vírus, como o secretário Beto Preto tem adotado aqui. As medidas tomadas no Paraná são medidas que eu assino embaixo e estão dando resultado", opinou.